sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Ministro das Finanças alemão diz que Atenas não quer "qualquer programa de reforma"

O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, afirmou em entrevista publicada hoje que o fracasso das negociações com o governo grego era "previsível" porque Atenas "não quer qualquer programa de reformas".

"Eu, e todos os que seguem a situação, temos a impressão de que o tempo está contado para a Grécia", com os cofres vazios, declarou o ministro durante a conferência de imprensa de apresentação do projeto de orçamento para 2016, em Berlim. (Arquivo)

"Eu, e todos os que seguem a situação, temos a impressão de que o tempo está contado para a Grécia", com os cofres vazios, declarou o ministro durante a conferência de imprensa de apresentação do projeto de orçamento para 2016, em Berlim. (Arquivo)

Giuseppe Aresu / AP

"Conhecendo os dados económicos e levando a sério as declarações de Alexis Tsipras antes e depois (da sua eleição no início do ano) então pudemos ficar a saber que o governo grego não quer qualquer programa de reformas", afirmou, em entrevista ao jornal alemão Bild, hoje publicada.

"É por isso que, desde o início, me mostrei extremamente cético relativamente ao resultado das discussões com o governo de Atenas", sublinhou o ministro das Finanças alemão.

"Se esse ceticismo finalmente se confirmar não ficarei surpreendido", acrescentou.

 Na sexta-feira, o jornal alemão divulgou excertos da entrevista, tendo Wolfgang Schäuble afirmado também que novas conversações com a Grécia sobre a dívida depois do referendo vão demorar algum tempo até produzir resultados e terão de acontecer "numa base totalmente nova e debaixo de condições económicas ainda mais difíceis".

Os gregos pronunciam-se no domingo em referendo sobre uma proposta de acordo dos credores, a qual prevê uma série de reformas e de medidas orçamentais em troca da continuação do apoio financeiro ao país. 

 

 

 

 

Lusa

 

  • Madonna diz que América nunca desceu tão baixo
    2:12

    Mundo

    No mundo artístico, foram várias as vozes que se levantaram contra Trump, entre elas Madonna. A cantora disse esta quinta-feira em Nova Iorque, a propósito do dia da tomada de posse, que nunca a América desceu tão baixo. Já o ator Matthew McConaughey - que está em Londres - garantiu que não ia perder a cerimónia pela televisão.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida