sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Ministro das Finanças alemão diz que Atenas não quer "qualquer programa de reforma"

O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, afirmou em entrevista publicada hoje que o fracasso das negociações com o governo grego era "previsível" porque Atenas "não quer qualquer programa de reformas".

"Eu, e todos os que seguem a situação, temos a impressão de que o tempo está contado para a Grécia", com os cofres vazios, declarou o ministro durante a conferência de imprensa de apresentação do projeto de orçamento para 2016, em Berlim. (Arquivo)

"Eu, e todos os que seguem a situação, temos a impressão de que o tempo está contado para a Grécia", com os cofres vazios, declarou o ministro durante a conferência de imprensa de apresentação do projeto de orçamento para 2016, em Berlim. (Arquivo)

Giuseppe Aresu / AP

"Conhecendo os dados económicos e levando a sério as declarações de Alexis Tsipras antes e depois (da sua eleição no início do ano) então pudemos ficar a saber que o governo grego não quer qualquer programa de reformas", afirmou, em entrevista ao jornal alemão Bild, hoje publicada.

"É por isso que, desde o início, me mostrei extremamente cético relativamente ao resultado das discussões com o governo de Atenas", sublinhou o ministro das Finanças alemão.

"Se esse ceticismo finalmente se confirmar não ficarei surpreendido", acrescentou.

 Na sexta-feira, o jornal alemão divulgou excertos da entrevista, tendo Wolfgang Schäuble afirmado também que novas conversações com a Grécia sobre a dívida depois do referendo vão demorar algum tempo até produzir resultados e terão de acontecer "numa base totalmente nova e debaixo de condições económicas ainda mais difíceis".

Os gregos pronunciam-se no domingo em referendo sobre uma proposta de acordo dos credores, a qual prevê uma série de reformas e de medidas orçamentais em troca da continuação do apoio financeiro ao país. 

 

 

 

 

Lusa

 

  • NATO retoma diálogo com a Rússia

    Mundo

    O Conselho da NATO - Rússia foi instituído em 2002 e decorreu sem interrupções até à anexação da Crimeia, em 2014. O conflito separatista na Ucrânia dividiu a Aliança Atlântica e Moscovo e suspendeu toda a colaboração prática - desde civil a militar. Agora e na véspera da primeira reunião ministerial em Bruxelas com o estreante secretário de Estado americano Rex Tillerson, os países da NATO tentam a aproximação formal e reativação do diálogo político com Moscovo.

  • O poder da linguagem corporal nos tribunais
    9:12

    País

    Rui Mergulhão Mendes, especialista em 'profiling' na Emotional Business Academy, em Lisboa, esteve na Edição da Noite desta quarta-feira para explicar como é que um especialista em linguagem pode ajudar um tribunal a dar um veredito.