sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Saída da zona euro será "facilmente" administrável, diz ministro austríaco das Finanças

O ministro austríaco das Finanças, Hans Jörg Schelling, confia numa "solução negociada" para a crise grega, embora acredite que uma saída do país do euro ('Grexit') seria "facilmente administrável" pela Europa.

© Marko Djurica / Reuters

"Creio que vamos chegar a uma solução negociada", afirmou o ministro austríaco, uma das vozes mais críticas do Governo grego nas últimas semanas, numa entrevista publicada hoje no diário Die Presse.

O governante defende ainda que, para a Europa, a saída da Grécia do euro "seria facilmente administrável do ponto de vista económico".

"Para a Grécia, seria muito mais dramático porque a sua dívida pública poderia aumentar de 200 a 400% do PIB (Produto Interno Bruto)", adverte, defendendo que isso teria "implicações negativas" do ponto de vista político para o "projeto europeu".

O governante considera que é por essa razão que não está previsto que um país saia da zona euro, mas defendeu que deveria ser regulado o caso especial de uma "insolvência estatal".

Caso no referendo de domingo na Grécia ganhe o 'não', o ministro austríaco estima mais dificuldades para chegar a um acordo.

"O nosso maior problema não é o conteúdo (das propostas gregas), mas sim a destruição da relação de confiança entre a Grécia e os outros países da zona euro", destaca.

"Há muitos países, sobretudo aqueles com menos dinheiro, que dizem 'já não queremos mais', mas eu acredito que vamos chegar a um acordo negociado", assegura Hans Jörg Schelling.

O governante esclareceu ainda que vê o programa de ajudas comunitárias para a Grécia como "morto e que não pode ser estendido", defendendo ainda que "um novo programa necessita tempo" e que "não pode haver créditos sem condições".

 

 

 

Lusa

 

  • Acordo de concertação social assinado por todos os parceiros

    Economia

    Está assinado o acordo da Concertação Social que estipula a descida da TSU para as empresas como contrapartida do aumento do salário mínimo. Ao contrário do que é habitual, o momento não foi assinalado na sede do Conselho Económico e Social (CES), mas as assinaturas foram divulgadas no Twitter.

  • Oposição diz que défice abaixo dos 2,3% se deve ao aumento de impostos
    2:24

    Economia

    O défice de 2016 vai ficar abaixo dos 2,3%, uma garantia dada pelo primeiro-ministro durante o debate quinzenal desta terça-feira. A oposição diz que o resultado é bom para o país mas que se deve a um aumento de impostos, feito pelo Governo no ano passado, e ao trabalho do PSD e do CDS nos anos anteriores.