sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Governo devia estar ao lado do povo grego, diz Jerónimo de Sousa

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, defendeu hoje que o Governo português deveria estar solidário e ao lado do povo grego, "em vez de alinhar com os poderosos da União Europeia".

NUNO ANDR\303\211 FERREIRA

"Neste momento, em que vemos a situação que se vive na Grécia, este Governo português devia estar do lado daqueles que, no essencial, também passam pelos mesmos dramas que nós. Deveria haver solidariedade com aqueles trabalhadores e com aquele povo, mas não, alinham com os poderosos da União Europeia!", alegou.

Numa passagem por Resende, no distrito de Viseu, onde está a decorrer um passeio de mulheres organizado pela CDU, Jerónimo de Sousa sublinhou que o PCP está solidário com o povo grego, no que toca à defesa dos seus direitos e soberania.

"Gostaria de afirmar claramente que a nossa solidariedade não vai para a União Europeia! Vai para os trabalhadores e para o povo Grego, na defesa dos seus direitos a uma vida melhor e na defesa da soberania", apontou.

Ao longo de um discurso com cerca de 20 minutos, o líder comunista apelou a que se deixe o povo grego decidir acerca do seu futuro.

"Nós valorizamos muito a nossa Constituição da República, onde na lei fundamental está escrito que, em relação à independência nacional, a soberania reside no povo e não na União Europeia ou qualquer instituição estrangeira. Também na Grécia se deve respeitar esse princípio", referiu.

No seu entender, a União Europeia está a fazer com que o povo grego "se ajoelhe e se deixe humilhar", com propostas que visam "cortar mais nos salários, nas pensões e reformas, na educação, saúde e serviços públicos".

"Aquele povo tem o direito à dignidade, de dizer não, de dizer que na Grécia mandam os gregos e de dizer que não aceitam mais cortes e mais sacrifícios para o seu povo", acrescentou.

De acordo com Jerónimo de Sousa, o que está a acontecer na Grécia "demonstra a verdadeira cara da União Europeia". 

"Venderam-nos a União Europeia há 30 anos como uma coisa muito boa, o mercado de 300 milhões de pessoas, com Portugal na moda e na linha da frente. Passados estes anos, descobre-se que a União Europeia está é ao serviço do grande capital, dos grandes grupos económicos, de um diretório de potências dos países mais fortes que determinam a vida dessa União Europeia", concluiu.

 

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.