sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Eurogrupo espera novas propostas de Atenas

O Eurogrupo espera que a Grécia apresente novas propostas aos credores internacionais, depois do referendo do domingo no país, em que venceu o "Não". A reunião está marcada para manhã ao início da tarde. Sem Varoufakis, que hoje se demitiu.

© Marko Djurica / Reuters

"Os ministros esperam novas propostas das autoridades gregas", segundo um comunicado do fórum dos ministros da Economia da zona euro, marcado paras as 13:00 (12:00 em Lisboa) de terça-feira, em Bruxelas.

A reunião dos ministros das Finanças da zona euro, que já não contará com a presença de Yannis Varoufakis, que hoje apresentou a demissão, antecede uma cimeira extraordinária dos países da moeda única, agendada para as 18:00 (17:00 em Lisboa).

Os gregos rejeitaram no domingo, por ampla maioria, as propostas dos credores internacionais, abrindo caminho à incerteza sobre a permanência da Grécia na zona euro.

Comissão Europeia aguarda mandato do Eurogrupo para negociar com Atenas

O vice-presidente da Comissão Europeia responsável pelo euro, Valdis Dombrovskis, salientou hoje, em Bruxelas, que o executivo comunitário necessita de um mandato do Eurogrupo para negociar com o Governo grego um novo programa de ajuda.

Numa conferência de imprensa na sede do executivo comunitário, Dombrovskis sustentou que, tal como dissera anteriormente o presidente Jean-Claude Juncker, a vitória do 'Não' no referendo de domingo dificulta as negociações e "torna mais difícil uma solução", mas garantiu que a Comissão continua empenhada em facilitar um compromisso e disponível para trabalhar com as autoridades gregas, pois "o lugar da Grécia é na zona euro".

O vice-presidente lembrou que o anterior programa (do Fundo Europeu de Estabilização Financeira) expirou a 30 de junho, e consequentemente o financiamento associado, pelo que será necessário negociar com Atenas uma nova ajuda no quadro do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), o novo fundo de resgate permanente da zona euro, cujo tratado prevê que deve ser o Eurogrupo a mandatar a Comissão para iniciar negociações sobre o memorando de entendimento. 

Na sequência do pedido formulado na semana passada pelo Governo de Alexis Tsipras relativamente a um empréstimo a dois anos do MEE, a decisão do último Eurogrupo (realizado por teleconferência na passada quarta-feira), lembrou Dombrovskis, foi não conferir nenhum mandato nem iniciar negociações antes da realização do referendo.

"Como sabem, amanhã (terça-feira) há um Eurogrupo e uma cimeira do euro, que deverão decidir o caminho a seguir. Neste momento, do lado da Comissão, não vamos antecipar uma decisão. Mas estamos prontos a trabalhar de perto com o Eurogrupo e os membros da zona euro para encontrar a melhor solução nesta situação complexa", declarou.

Questionado sobre um possível alívio da dívida grega, o comissário do euro insistiu que cabe ao Eurogrupo decidir os termos do mandato para negociar um memorando de entendimento e quais as condicionalidades e elementos que devem constar do mesmo.

Com Lusa

  • Fogo em Sabrosa entrou em fase de resolução

    País

    O incêndio que deflagrou terça-feira em Vilela do Douro, Sabrosa, distrito de Vila Real, entrou a meio da manhã de hoje em fase de resolução, segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil.

  • Governo garante reforço das verbas para defesa da floresta até ao fim do ano
    2:37

    País

    O Governo rejeitou centenas de candidaturas com projetos para a prevenção de incêndios florestais, por falta de verbas. Perante a situação, o Bloco de Esquerda questionou o Ministério da Agricultura sobre as reprovações. Contudo, contactado pela SIC, o ministro Capoulas Santos garantiu que o programa de desenvolvimento rural está a ser reajustado e, até ao final do ano, está previsto o reforço de verbas.

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.