sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Imprensa grega destaca vitória do "oxi"

Os principais títulos da imprensa helénica centram-se hoje quase em exclusivo na vitória convicta do 'Não', por 61,3%, no referendo de domingo sobre o acordo proposto pelos credores da Grécia.

© Christian Hartmann / Reuters

"Acordo ou Grexit após o ruidoso "Não", sugere a manchete do diário conservador Kathimerini, que indica uma "pesada atmosfera na Europa", a uma eventual suspensão de membro da zona euro, para além da demissão do líder da oposição de direita, Antonis Samaras. 

O Ta Nea, de centro-direita, diz que está a caminho uma remodelação no Governo do Syriza, e considera em editorial que "o forte 'Não' não reforça a posição negocial do primeiro-ministro". 

Reformas ou Grexit, assinala a manchete: "Com 61,3% de voto 'Não', o Governo enfrenta o verdadeiro dilema entre o compromisso com um programa de reformas ou a porta que conduz à saída do euro", sugere o jornal, que também inclui um artigo do antigo vice-primeiro-ministro e ex-líder do Pasok, Evangelos Venizelos, intitulado "E agora?". 

Os resultados do referendo, 'Não', com 61,3%, e 'Sim', com 38,7%, com uma foto do presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, a olhar surpreendido para os resultados foi a capa escolhida pelo jornal de esquerda Efimerida ton Syntakton. 

"Somos Gregos! Todos deviam por bandeiras nas suas varandas", sugere o diário populista de direita Dimokratia, que também considera que "o orgulho na pátria está em primeiro lugar". "Europa, escutas-te?", indica ainda o periódico, próximo das posições dos Gregos Independentes (Anel), que integra a coligação liderada pelo Syriza. 

O Ethnos, de centro-esquerda, destaca "O plano de Tsipras após o terramoto dos 61,3%". 

"A avalanche do 'Não' abalou o novo cenário político no país e deu ao primeiro-ministro as iniciativas-chave. O resultado final do referendo implicou a demissão de Antonis Samaras da liderança da ND. O primeiro-ministro clarifica o seu plano para um acordo com os credores nas próximas 48 horas. Para criar uma forte frente nacional, Alexis Tsipras pediu ao Presidente da República para convocar para hoje o conselho de líderes políticos um dia antes da cimeira da UE sobre a Grécia. Em simultâneo iniciou contactos com líderes estrangeiros reconhecendo que não há soluções fáceis para o povo grego", informa o jornal. 

Já o Eleftheros Typos, conservador e pró-ND, considera a "Pátria em perigo" e destaca a "responsabilidade histórica de Tsipras, com o povo a confiar no primeiro-ministro com 61,3% no referendo". 

Quanto ao Rizospastis, diário oficial do Partido Comunista Grego (KKE, que apelou à abstenção no referendo) indica em manchete "Nenhuma complacência, nenhum consentimento ao acordo antipopular do 'dia seguinte' e remete para uma declaração do secretário-geral do partido, Dimitris Koutsoumbas. 

O Avgi, diário oficial do Syriza, assinala que a vontade popular "respondeu à chantagem e ao medo". 61% NÃO à austeridade. Destaca ainda a intervenção pela televisão do primeiro-ministro Alexis Tsipras, "Todos juntos. A Europa não pode ser um caminho único para memorandos" e destaca ainda a demissão de Samaras. "A música começou a tocar na ND". 

 

Lusa

  • Varoufakis anuncia demissão

    Crise na Grécia

    O ministro das Finanças grego anunciou hoje a sua demissão, um dia depois do "não" às condições impostas pelos credores ter ganho no referendo na Grécia. Varoufakis diz que é considerado "indesejável" por alguns no Eurogrupo. O nome do sucessor de Varoufakis deverá ser apresentado esta manhã.

  • Demissão de Varoufakis "é uma meia surpresa"
    5:14

    Economia

    O ministro das Finanças grego anunciou a sua demissão, na manhã seguinte ao referendo da Grécia. O enviado da SIC a Atenas, Anselmo Crespo, diz que a decisão de Varoufakis "é uma meia supresa", uma vez que muitos já esperam que saísse do Executivo, qualquer que fosse o resultado.

  • Esquerda saúda "não" grego, direita defende soluções realistas
    2:14

    Crise na Grécia

    Em Portugal, a reação dos partidos políticos ao "Não" na Grécia foi sobretudo saudada pela esquerda. O Bloco diz que é o fim da chantagem e o PCP que esta foi uma derrota da União Europeia. Já o PS diz que é preciso o Governo português não fazer de conta que esta situação não afeta Portugal. CDS e PSD dizem que fica nas mãos do governo de Tsipras o dever de apresentar uma solução aos parceiros europeus.

  • Europa discute "lição de democracia" de Tsipras e da Grécia
    3:20

    Crise na Grécia

    A vitória do "não" que conquistou mais de 61% dos votos no referendo grego é discutida hoje entre os países membros e as instituições europeias. O Eurogrupo reúne-se amanhã, no mesmo dia em que há cimeira extraordinária dos chefes de Estado e governo da zona euro. O primeiro-ministro grego diz-se aberto a prosseguir com as negociações e defende que a Grécia deu uma verdadeira lição de democracia ao dizer "não" a mais austeridade.

  • "Nobel é um incentivo para toda uma nação"
    1:19

    Mundo

    O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos recebeu ao início da tarde na Noruega o prémio pelo trabalho que desenvolveu junto das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, FARC. As cerimónias são este sábado e marcadas pela ausência do Nobel da Literatura, Bob Dylan.

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55

    Football Leaks

    Com o escândalo dos agentes de futebol a dar que falar, o Expresso revela este sábado os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa. O nome da empresa de que é administrador, a Energy Soccer, surge na investigação em transferências de jogadores que envolvem o Futebol Clube do Porto num conflito de interesses.