sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Vitória do "não" comparada com Euro 2004 na imprensa alemã

A vitória do "não" no referendo grego, que recusa a implementação de novas medidas de austeridade propostas pelos credores internacionais, domina hoje as primeiras páginas da imprensa alemã.

Angela Merkel, esta manhã à chegada à chancelaria alemã

Angela Merkel, esta manhã à chegada à chancelaria alemã

© Fabrizio Bensch / Reuters

"Celebrações como durante a vitória do Euro 2004", escreve o diário Bild, que compara os festejos de domingo na Grécia com as comemorações que tiveram lugar depois da vitória da Grécia contra Portugal na final do Campeonato Europeu de Futebol em 2004. O diário pergunta ainda "E agora, chanceler?". 

O diário Die Welt apresenta como manchete "Gregos votam 'não' contra reformas", referindo que que os bancos estão a ficar sem dinheiro e que , depois dos resultados da consulta pública na Grécia, a tensão entre a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e o governo de Atenas vai continuar.

O Frankfurter Allgemeine destaca que a rejeição das medidas de austeridade são mais claras do que o esperado e faz referência à cimeira europeia extraordinária anunciada para a próxima terça-feira pela chanceler alemã, Angela Merkel, e pelo presidente francês, François Hollande. 

A primeira página do diário realça ainda um artigo de opinião, em que o jornalista de política Peter Sturm escreve que "a única coisa que os gregos podem esperar é que nada mudará para melhor num futuro próximo". 

O Süddeutsche Zeitung noticia, na primeira página, que "as instituições públicas gregas temem tumultos e preparam planos de emergência". Metade da primeira página do diário é ocupada por uma foto que mostra jovens gregos com bandeiras na mão a comemorarem a vitória do "não". 

"País dilacerado" é a manchete do Die Tageszeitung que ilustra a chamada de capa com uma foto da bandeira grega rasgada. O diário traz na primeira página um artigo de opinião de Ulrike Herrmann, editora de economia, que escreve que o resultado do referendo vai fazer história e que é aconselhável que os líderes europeus comecem a colaborar com o governo grego. 

No domingo, os gregos foram às urnas decidir se aceitavam as propostas dos credores num referendo que serviu de teste ao governo da Grécia. 

O 'Não' às propostas dos credores obteve 61,31% no referendo de domingo na Grécia, segundo números definitivos hoje divulgados pelo Ministério do Interior grego.

Com a totalidade dos votos contados, o 'Sim' foi a escolha de 38,69% dos gregos, enquanto 5,80% dos votos foram considerados brancos ou nulos.

A abstenção foi de 37,5%, num universo de quase 10 milhões de eleitores, de acordo com os mesmos dados.

 

Lusa

  • Varoufakis anuncia demissão

    Crise na Grécia

    O ministro das Finanças grego anunciou hoje a sua demissão, um dia depois do "não" às condições impostas pelos credores ter ganho no referendo na Grécia. Varoufakis diz que é considerado "indesejável" por alguns no Eurogrupo. O nome do sucessor de Varoufakis deverá ser apresentado esta manhã.

  • Demissão de Varoufakis "é uma meia surpresa"
    5:14

    Economia

    O ministro das Finanças grego anunciou a sua demissão, na manhã seguinte ao referendo da Grécia. O enviado da SIC a Atenas, Anselmo Crespo, diz que a decisão de Varoufakis "é uma meia supresa", uma vez que muitos já esperam que saísse do Executivo, qualquer que fosse o resultado.

  • Esquerda saúda "não" grego, direita defende soluções realistas
    2:14

    Crise na Grécia

    Em Portugal, a reação dos partidos políticos ao "Não" na Grécia foi sobretudo saudada pela esquerda. O Bloco diz que é o fim da chantagem e o PCP que esta foi uma derrota da União Europeia. Já o PS diz que é preciso o Governo português não fazer de conta que esta situação não afeta Portugal. CDS e PSD dizem que fica nas mãos do governo de Tsipras o dever de apresentar uma solução aos parceiros europeus.

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55
  • BCE autoriza CGD a avançar com recapitalização

    Caso CGD

    A Caixa Geral de Depósitos informou esta sexta-feira que vai prosseguir com as operações da primeira fase do aumento de capital, depois de ter obtido autorização para isso junto do Banco Central Europeu (BCE) e do Banco de Portugal.

  • Condutores apanhados a mais de 200 em corridas ilegais na Ponte Vasco da Gama
    1:25
  • A história da guerra em Alepo
    7:43
  • Reino Unido em alerta máximo de terrorismo

    Mundo

    O Reino Unido elevou o alerta de terrorismo para o nível máximo depois das declarações, esta quinta-feira, do chefe das secretas britânicas. O diretor do MI6 está preocupado com eventuais ataques contra o Reino Unido e outros aliados.

  • Uma "cidade fantasma" na Letónia
    3:10
  • O anúncio de natal que está a emocionar o mundo
    1:47