sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Os pontos essenciais do novo plano grego

O novo pacote de reformas proposto pela Grécia, que poderá desbloquear um acordo e a evitar a saída do euro, propõe várias medidas para aumentar receitas, sobretudo no IVA e pensões, ao encontro das exigências dos credores. A proposta enviada às instituições europeias e ao Fundo Monetário Internacional tem em vista conseguir um novo programa de resgate, desta vez a três anos. Será agora avaliada pelos credores, que submeterão de seguida a sua avaliação ao Eurogrupo, que por sua vez se reúne no domingo. Eis as principais reformas propostas pelo Governo liderado por Alexis Tsipras:

© Christian Hartmann / Reuters

Metas Fiscais

Atenas propõe-se adotar já este ano um orçamento que complemente o atual e definir uma estratégia a médio termo para 2016-2019.

Em específico, quer registar um saldo orçamental (diferença entre receitas e despesas, excluindo os pagamentos de juros da dívida) positivo de 1%, 2%, 3% e 3,5% de 2015 a 2018. Isto é feito com aumentos no IVA, reforma das pensões com cortes, medidas fiscais e reformas na administração pública, entre outras.

Imposto sobre o Consumo (IVA)

Na reforma do IVA, uma das que causou mais diferendos entre Atenas e os credores nos últimos meses, o Governo propõe adotar legislação para reformar o sistema de IVA retroativamente a 01 de julho de 2015, com o objetivo de conseguir uma receita equivalente a 1% do Produto Interno Bruto (PIB).

A taxa de IVA normal passa para 23%, como queriam os credores, o que inclui restaurantes, a que Atenas sempre tinha resistido. Ficam com uma taxa de 13% alimentos básicos, energia, água (excluindo esgotos) e hotéis, uma reivindicação que vinha sendo feita dada a importância da indústria do turismo. Na taxa mais reduzida, de 6%, ficam medicamentos, livros e teatro.

Quanto ao IVA reduzido aplicado às ilhas, que o Governo suportado sobretudo pelo Syriza sempre pretendeu manter, é agora proposto eliminar progressivamente os descontos, começando pelas ilhas com maior rendimento e que são mais populares em termos de turismo.

Imposto sobre o lucro das empresas

É proposto aumentar a taxa de imposto sobre as empresas de 26% para 28%.

O Governo admite ainda que o aumento de impostos pode ir mais além, caso as receitas fiscais não atinjam o objetivo proposto. Nesse caso, o imposto sobre o rendimento passaria de 11% para 15% para quem ganha até 12.000 euros anuais, com receita adicional prevista de 160 milhões de euros, e de 33% para 35% nos rendimentos acima de 12.000 com receita esperada de 40 milhões. Também o imposto sobre o lucro das empresas (IRC) poderá ser aumentado num ponto percentual (28% para 29%) com receitas extra de 130 milhões.

O pacote apresentado inclui também outras mexidas relacionadas com impostos, nomeadamente sobre benesses dadas a agricultores ou propriedades em zona rurais e combate à fraude e evasão fiscal

Pensões

A reforma do sistema de pensões representou em conjunto com o IVA o ponto de maior desacordo com os credores.

Reconhecendo que o sistema de pensões é insustentável como está, o Executivo propõe legislação retroativa a 01 de julho para fazer poupanças nas reformas de 0,25% a 0,5% do PIB este ano e 1% em 2016. 

É proposto terminar gradualmente com o suplemento de solidariedade para os pensionistas, designado 'Ekas', até dezembro de 2019, devendo começar já no próximo ano com cortes nos 20% de beneficiários com rendimentos mais altos.

Haverá fortes desincentivos às reformas antecipadas e aumento progressivo da idade legal da reforma para os 67 anos ou 62 anos (homens de mulheres) e 40 anos de contribuições em 2022. É proposto ainda que todos os fundos complementares de pensões são financiados apenas por receitas próprias.

Serão ainda aumentadas as contribuições de saúde dos pensionistas de 4% para 6%, em média, sendo ainda estendidas às pensões complementares.

Defesa

Cortes nas despesas militares 100 milhões de euros já este ano e 200 milhões em 2016.

Privatizações

Terminar com o processo de venda dos aeroportos regionais

Reformas da administração pública e da lei laboral

O Governo de Alexis Tsipras propõe dar impulso às medidas para reformas administração fiscal, com eventual redução de suplementos salariais, avaliação de funcionários, um regime de mobilidade de trabalhadores e mais inspeções e auditorias. Também o sistema fiscal será reforçado, dizem.

No mercado laboral, fala-se de uma revisão dos acordos de contratação coletiva, mas não para o imediato.

Dívida

A imprensa internacional refere que um documento anexo à proposta, apenas em grego, fala na necessidade de haver um compromisso para reestruturar a dívida após 2022.

Com Lusa

  • Plano grego suficiente para aprovar novo resgate?
    2:01

    Crise na Grécia

    O Governo grego cumpriu o prometido e entregou o plano de reformas para obter o terceiro resgate. Mas em Atenas permanece a dúvida se as medidas vão ou não ser suficientes para os parceiros europeus aprovarem o resgate. O relato é do enviado da SIC à Grécia, Anselmo Crespo.

  • Análise à proposta de reformas do Governo grego
    2:22

    Crise na Grécia

    As propostas que o Governo grego enviou hoje aos seus credores internacionais incluem um aumento das taxas do IVA e mudanças nas pensões de reforma e no regime da Função Pública, avançou a agência AFP citando a página oficial do executivo de Atenas. O objetivo das propostas é o de aumentar as receitas públicas, em troca de nova ajuda financeira a três anos. A análise é de José Gomes Ferreira, SIC.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.