sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Passos Coelho garante que acordo para resgate grego é "equilibrado"

Passos Coelho garante que acordo para resgate grego é "equilibrado"

O primeiro-ministro português diz que o acordo sobre o terceiro resgate grego é "equilibrado", caso contrário não seria aceite por Atenas. Depois da cimeira de líderes em Bruxelas, Pedro Passos Coelho frisou que haverá um grande esforço por parte dos credores neste novo resgate e que a Grécia não pode voltar à indefinição dos últimos seis meses.

Numa conferência de imprensa no final de uma cimeira da zona euro que terminou hoje de manhã, ao cabo de 17 horas, com um compromisso sobre um terceiro "resgate" à Grécia em troca de uma série de condicionalidades, por muitos classificadas como "humilhantes" para Atenas, Pedro Passos Coelho disse que não vê "como possa ser encarado como uma humilhação" uma nova ajuda de "quase mais 86 mil milhões de euros, mais do que Portugal recebeu num só programa".

O primeiro-ministro português apontou que, entre financiamentos anteriores, à luz dos dois anteriores programas de assistência e de dívida perdoada, "a Grécia terá recebido e visto perdoados mais de 400 mil milhões de euros", a que acrescerão agora 86 mil milhões de euros, pelo que tal só pode ser visto como "uma ação responsável e solidária" dos parceiros de Atenas.

Quanto ao fantasma de uma expulsão da Grécia da zona euro, o chamado "Grexit", apontou que, de facto, "durante a reunião do Eurogrupo não deixou de se considerar a possibilidade de uma saída da Grécia da zona euro se um acordo não fosse encontrado", mas considerou que tal não pode ser considerado uma ameaça, mas antes "uma constatação de uma consequência natural se não existisse um acordo", já que, nesse caso, a Grécia "não teria condições de permanecer" no espaço monetário único.

Com Lusa

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55
  • Democratas não venciam no Alabama há 27 anos
    1:50
  • Costa anuncia reunião sobre neutralidade carbónica em fevereiro
    2:03

    País

    O Presidente francês defende que é preciso ir mais longe e mais rápido na luta contra as alteração climáticas, numa resposta à decisão de Donald Trump de retirar os EUA do Acordo de Paris. Em fevereiro, será a vez de Portugal organizar uma reunião sobre energia e transportes.