sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Sindicato da função pública grega convoca greve de 24 horas

O sindicato dos funcionários públicos da Grécia, o Adedy, convocou hoje uma greve de 24 horas para a próxima quarta-feira, o dia apontado para a votação no parlamento das novas medidas de austeridade exigidas pelos credores, após o acordo alcançado esta manhã entre o governo de Atenas e a União Europeia. 

© Christian Hartmann / Reuters

"Fazemos um apelo para uma greve de 24 horas, ao mesmo tempo que se vota o acordo anti-popular, e para uma manifestação na Praça Syntagma" em Atenas, refere um comunicado do Adedy. 

Esta será a primeira greve desde que o Syriza chegou ao poder em janeiro.

O primeiro-minsitro grego já regressou entretanto a Atenas. Depois de ter chegado a acordo com os credores em Bruxelas, Alexis Tsipras voltou à sede do executivo grego. Pouco depois chegaram outros ministros, incluindo Euclid Tsakalotos, o novo ministro das Finanças.

O entendimento preliminar inclui duras medidas económicas que a Grécia terá de transformar em lei para poder aceder a novos empréstimos. 

Até quarta-feira, o chefe do governo grego vai ter de conseguir o apoio do parlamento helénico para avançar com um primeiro conjunto de medidas. O Eurogrupo irá depois ratificar o plano.

  • 48 horas para aprovar reformas em troca de 86 mil milhões
    2:48

    Crise na Grécia

    Há finalmente acordo entre a Grécia e os credores e, por isso, um novo pacote de austeridade vai a caminho de Atenas. Depois de 17 horas de reunião entre os líderes políticos da zona euro, o governo de Tsipras aceitou cumprir uma nova lista de reformas que terá de aprovar nos próximos dois dias. Em troca, vai receber mais 86 mil milhões de euros.

  • Cimeira "foi um verdadeiro golpe de estado"
    1:05

    Crise na Grécia

    O Bloco de Esquerda diz que o acordo alcançado com a Grécia é uma imposição chantagista por parte de uma União Europeia com traços colonialistas. Catarina Martins critica ainda Passos Coelho pelas posições de Portugal em todo o processo.

  • Acordo com Grécia dispara bolsas
    1:43

    Crise na Grécia

    Os mercados reagiram em alta à notícia do acordo. Ainda assim, os analistas continuam apreensivos. Temem que as reformas não sejam suficientes para assegurar o crescimento da economia e a sustentabilidade da dívida.

  • "Ganhou-se tempo e evitou-se o caos"
    3:34

    Crise na Grécia

    O acordo entre a Europa e a Grécia "é de uma eficácia muito duvidosa", considera o diretor executivo do Expresso. Pedro Santos Guerreiro diz que "tinha que haver um acordo antes do dia começar para evitar o caos" e que "a repetição de austeridade continua a agravar o problema de falta de crescimento".

  • Marcelo e Costa unidos contra contagem do tempo integral de serviço
    2:45

    País

    Em menos de 24 horas, o Presidente da República e o primeiro-ministro deram publicamente sinais de que estão unidos contra a contagem de todo o tempo de serviço de professores e outros agentes do Estado para efeitos salariais. Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa disseram que essa possibilidade é uma ilusão e que o país não tem condições para voltar aos níveis anteriores à crise.

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Paris inaugura primeiro restaurante naturista

    Mundo

    Para entrar, é preciso retirar a roupa e apenas as mulheres podem permanecer calçadas. O primeiro restaurante naturista de Paris abriu em novembro para responder a uma necessidade em França, principal destino do mundo para os praticantes de nudismo.

  • Político indiano oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.