sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Bancos gregos permanecem fechados até sexta-feira

Os bancos gregos vão permanecer fechados até pelo menos sexta-feira, segundo o novo decreto publicado pelo Ministério das Finanças grego, que amplia as operações que se podem levar a cabo nas sucursais abertas.

© Alkis Konstantinidis / Reuter

O novo decreto mantém o limite para os levantamentos de dinheiro nas caixas automáticas (multibanco) em 60 euros por dia e em 120 euros o montante máximo para os pensionistas que só têm cartão.

As cerca de mais um milhar de sucursais abertas, onde até agora só se podiam pagar pensões e subsídios de desemprego, passam agora, com este decreto, a poder gerir o pagamento de quotas e créditos de todo tipo, como por exemplo dívidas ao Estado ou a empresas públicas, aos fundos de pensões estatais ou a seguros privados.

As sucursais abertas também poderão realizar transferências no seio de uma mesma entidade bancária.

Todas estas operações podiam efetuar-se até agora mas só através da Internet.

Todas as outras limitações, incluindo a proibição de todas as transferências para o estrangeiro que não forem autorizadas por uma comissão especial, circunscritas a operações comerciais de primeira necessidade, mantêm-se inalteradas com o referido decreto.

O primeiro-ministro, Alexis Tsipras, adiantou na última noite numa entrevista à televisão pública grega que os bancos previsivelmente iriam permanecer fechados até que o acordo para o terceiro resgate fosse ratificado, mas prevendo até lá uma ampliação das operações permitidas e um aumento dos limites de retirada de dinheiro das caixas automáticas.

Tsipras também afirmou que o levantamento do controlo de capitais será "progressivo", alegando que depois de uma perda de confiança os bancos não podem abrir imediatamente.

O controlo de capitais está há 17 dias em vigor (desde 29 de junho).

As filas à frente das caixas automáticas já não alcançam os comprimentos dos primeiros dias, pelo menos nos grandes centros urbanos, onde existe um maior número de máquinas.

Lusa

  • Rui Patrício confirmado no Wolverhampton

    Desporto

    O Wolverhampton anunciou esta segunda-feira a contratação do guarda-redes Rui Patrício, depois da rescisão com o Sporting. O guarda-redes da seleção nacional assinou contrato com o clube inglês por quatro épocas.

    SIC

  • Novo treinador do Sporting diz que mulheres não estão preparadas para falar de futebol
    1:23
  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Merkel tem duas semanas para negociar solução para crise migratória

    Mundo

    A chanceler alemã tem duas semanas para negociar com os parceiros europeus uma solução para a questão migratória e assim evitar uma crise política. O ultimato foi dado pelo CSU, o partido da Baviera que integra a coligação governamental. Ao contrário de Angela Merkel, defende uma política para os refugiados mais estrita.

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC