sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Mãe de Tsipras diz que o filho já não tem tempo para ver a família

A mãe do primeiro-ministro grego disse hoje a um jornal de Atenas que Alexis Tsipras come e dorme muito mal e não consegue arranjar tempo para se encontrar com a família.

Thanassis Stavrakis

A entrevista de Aristi Trsipras, 73 anos, ao tabloide Parapolitika é publicada numa altura em que o primeiro-ministro procede a uma remodelação governamental que retira os ministros "rebeldes" do Executivo liderado pelo Syriza.

"Ultimamente, Alexis come mal e dorme mal mas não tem escolha. Tem uma dívida para com as pessoas que depositaram esperanças nele", disse a mãe do chefe do governo de Atenas.

"Eu já não o vejo há muito tempo. Ele vai do aeroporto diretamente para o parlamento. Ele nem sequer tem tempo para ver os filhos, quanto mais ver-me a mim", lamenta Aristi Tsipras.

"Quando falamos digo-lhe para fazer o melhor pelo país e para cuidar de si. Ele diz-me para eu não me preocupar e que tudo vai correr bem", disse ainda a mãe do primeiro-ministro.

Hoje, os novos ministros do governo da Grécia prestaram juramento numa cerimónia no palácio presidencial, depois de na sexta-feira o primeiro-ministro grego, Alex Tsipras, anunciar uma remodelação que abrangeu 10 membros do Executivo.

Na presença do Presidente da República, Prokopis Pavlópulos, e de Tsipras, os novos ministros, vice-ministros e ministros-adjuntos tomaram posse.

A mudança mais significativa e também a mais previsível foi a do ministro da Reconstrução Produtiva, Energia e Meio Ambiente, Panayotis Lafazanis, que fez parte dos 32 deputados do Syriza que votaram contra as reformas, na quarta-feira, no parlamento grego.

Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.