sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

FMI espera negociações difíceis sobre novo resgate à Grécia

O Fundo Monetário Internacional (FMI) previu hoje que as negociações para um novo programa de assistência financeira à Grécia serão "difíceis" e considerou que primeiro é necessário um compromisso "concreto" dos europeus quanto ao alívio da dívida do país.

YANNIS KOLESIDIS

"O caminho parece difícil e estamos apenas no início do processo", declarou o porta-voz Gerry Rice, acrescentando que a participação do FMI "depende" do resultado das conversações sobre as reformas e a dívida.

Após cinco meses de impasse, Atenas e os credores europeus concluíram a 13 de julho um acordo que prevê um novo programa de assistência ao país, mas as modalidades deste resgate ainda têm de ser negociadas.

O FMI, que tem estado associado aos dois resgates da Grécia desde 2010, condicionou a participação futura a um alívio pelos europeus da dívida grega, que ronda 180% do produto interno bruto.

"Quanto ao alívio da dívida é preciso um compromisso preciso, concreto", dos europeus, afirmou Rice, numa altura em que alguns dirigentes da zona euro se mostram menos intransigentes quanto a esta ideia.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.