sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Atenas suaviza restrições bancárias, gregos podem viajar com 2.000 €

A Grécia suavizou novamente as restrições bancárias impostas há quase um mês e agora os cidadãos gregos podem levar consigo 2.000 euros em dinheiro ou o seu equivalente em moeda estrangeira nas suas viagens ao estrangeiro.

O novo decreto publicado pelo Ministério das Finanças destaca ainda que os estrangeiros podem continuar a levantar quantidades ilimitadas de dinheiro.

Por outro lado, as empresas de navegação poderão levantar 50.000 euros por dia.

Na segunda-feira, dia em que os bancos gregos reabriram as portas, após três semanas de encerramento, o Ministério das Finanças deu passos para um primeiro alívio das limitações nas transferências para o estrangeiro, ao permitir que o país com filhos a estudar fora da Grécia pudessem transferir 5.000 euros por trimestre.

Ao mesmo tempo, permitiu a transferência para o estrangeiro de um máximo de 2.000 euros para gastos médicos.

Para ultrapassar as restrições que tiveram impacto nas importações, o Banco da Grécia anunciou na sexta-feira que irá agilizar o processo de pagamentos comerciais ao estrangeiro.

Nesse sentido, vai aumentar, com efeitos imediatos, de 50.000 a 100.000 euros a transferência que cada cliente poderá efetuar para gastos com as importações.

Entretanto, mantém-se o limite de 60 euros para levantamento de dinheiro em caixas automáticas, embora a partir da próxima sexta-feira as pessoas que não tenham levantado dinheiro durante a toda semana poderão fazê-lo no montante máximo de 420 euros.

Os preparativos para a reabertura da bolsa de Atenas estão a decorrer, embora não haja data oficial, com os meios de comunicação social gregos a indicarem segunda-feira como data provável.

Lusa

  • Protestos e violência no Rio de Janeiro
    1:08
  • Marcelo diz que a Europa precisa de paixão
    2:36
  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.