sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Tsipras admite eleições antecipadas

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, disse hoje que o seu Governo será forçado à convocação de eleições antecipadas caso não recupere a maioria parlamentar que perdeu nas duas últimas votações sobre as reformas exigidas pelos credores.

© Ronen Zvulun / Reuters

"Se não tivermos maioria parlamentar, seremos forçados a eleições", disse Tsipras, em entrevista à rádio Sto Kokkino, identificada com o Syriza, no poder. No entanto, irá tentar convencer os deputados do seu partido que se opuseram ao acordo com os credores internacionais (Comissão Europeia, Banco Central Europeu, Mecanismo Europeu de Estabilidade e Fundo Monetário Internacional) a voltarem a apoiar o Governo nas reformas que se perspetivam.

No entanto, o líder do partido da esquerda radical -- que venceu as legislativas de janeiro e elegeu 149 dos 300 deputados --, reconheceu que os compromissos do "acordo de Bruxelas" de 13 de julho conduziram a uma situação que poderá implicar a convocação de eleições antecipadas.

Nas duas votações no parlamento sobre os programas de reformas, que os credores internacionais exigiram como condição prévia para o início das conversações sobre um terceiro resgate avaliado em 86 mil milhões de euros por três anos, mais de 30 deputados do Syriza decidiram votar contra.

Os projetos em discussão acabaram por ser aprovados com os votos dos deputados dos Gregos Independentes (Anel, parceiro de coligação) e dos representantes de três partidos da oposição (Nova Democracia, Pasok e To Potami).

"Sou o último que teria pretendido eleições caso tivéssemos mantido a maioria parlamentar" para os próximos quatro anos, disse.

O líder do Syriza sublinhou que a sua prioridade consiste em garantir um acordo para o terceiro resgate, e espera que no início de setembro o seu partido convoque um congresso extraordinário para definir qual o seu programa e as próximas iniciativas.

Tsipras criticou indiretamente os deputados rebeldes e definiu como "curtos de ideias" os que pensam que se pode "fazer a revolução com o assalto ao Palácio de Inverno".

"Os compromissos também são parte da tática revolucionária", acrescentou.

Lusa

  • Ministra emocionou-se no Parlamento
    2:26

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A ministra da Administração Interna disse esta quarta-feira no Parlamento que está, desde a primeira hora, a recolher, analisar e cruzar todos os dados do incêndio de Pedrógão Grande. Constança Urbano de Sousa emocionou-se diante dos deputados e admitiu que tem ainda muitas dúvidas sobre o que aconteceu. Foi pedido um estudo independente ao funcionamento do sistema de comunicações de emergência e uma auditoria à Secretaria-Geral da Administração Interna, a entidade gestora do SIRESP. A ministra explicou porquê.

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contido" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.