sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Varoufakis classifica negociações com Eurogrupo como "guerra financeira"

O ex-ministro das Finanças grego Yanis Varoufakis qualificou hoje as negociações da Grécia com o Eurogrupo como uma "guerra financeira" em que o seu país foi derrotado, não com veículos blindados, mas sim com bancos.

Virginia Mayo

"Tratou-se de uma guerra financeira. Hoje vocês não precisam de veículos blindados para derrotar alguém. Têm os vossos bancos", afirmou Varoufakis numa entrevista que será publicada quinta-feira na revista alemã Stern, que publica hoje um extrato.

Para Varoufakis, a aceitação, por parte da Grécia, das condições impostas pelo Eurogrupo para negociar um novo resgate, foi o "ataque mais grave" que a democracia na Europa sofreu, desde o fim da II Guerra Mundial.

Segundo o ex-ministro, existiu desde janeiro, altura em que Alexis Tsipras chegou ao poder, uma espécie de "gabinete de guerra" em Atenas.

"Tivemos um gabinete de guerra desde janeiro, cinco ou seis pessoas a tratar de um possível "grexit" (saída da Grécia da zona euro). Considerámos todos os cenários possíveis nesse contexto, mas foram descartados", explicou.

No meio da crise, Varoufakis chegou a conceber um plano para introduzir na Grécia uma moeda paralela ao euro, que seria usada como instrumento para melhorar a posição negocial de Atenas.

"Esse é um tema a que dediquei toda a minha carreira académica", afirmou Varoufakis, considerado um especialista na chamada "teoria dos jogos".

O ex-responsável pela pasta das Finanças admitiu agir nas reuniões do Eurogrupo com uma tática de guerra psicológica, permanecendo sempre tranquilo num ambiente por vezes hostil.

Segundo o antigo ministro grego, o titular das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, é alguém que pode "explodir" em determinadas circunstâncias.

"Schäuble pode explodir e ser muito agressivo, eu vi como uma vez insultou o líder do Eurogrupo [Jeroen] Dijsselbloem", contou Varoufakis, ressalvando que consigo foi "sempre amável".

"Aprecio-o, gosto de Wolfgang e creio que ele aprecia os meus conhecimentos, Schäuble sabe o que quer e di-lo claramente, uma Europa autoritária e com menos estado social", destacou o ex-governante grego.

Lusa

  • Younes Abouyaaqoub, o homem mais procurado de Espanha
    1:53
  • Incendiários vão passar o verão com pulseira eletrónica

    País

    Os tribunais vão poder condenar os incendiários a penas de prisão domiciliária, com pulseira eletrónica, durante as épocas de incêndio. A nova lei foi aprovada na semana passada, na Assembleia da República, e aguarda a promulgação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

  • "Trump, deixe-me ajudá-lo a escrever o discurso"
    0:47

    Mundo

    Arnold Schwarzenegger diz que Donald Trump tem o dever moral de se opor ao ódio e ao racismo. Num vídeo publicado nas redes sociais, o ator norte-americano e antigo governador da Califórnia encenou o discurso que Donald Trump devia ter. 

  • Hino da SIC tocado pela viola beiroa
    2:22