sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Varoufakis classifica negociações com Eurogrupo como "guerra financeira"

O ex-ministro das Finanças grego Yanis Varoufakis qualificou hoje as negociações da Grécia com o Eurogrupo como uma "guerra financeira" em que o seu país foi derrotado, não com veículos blindados, mas sim com bancos.

Virginia Mayo

"Tratou-se de uma guerra financeira. Hoje vocês não precisam de veículos blindados para derrotar alguém. Têm os vossos bancos", afirmou Varoufakis numa entrevista que será publicada quinta-feira na revista alemã Stern, que publica hoje um extrato.

Para Varoufakis, a aceitação, por parte da Grécia, das condições impostas pelo Eurogrupo para negociar um novo resgate, foi o "ataque mais grave" que a democracia na Europa sofreu, desde o fim da II Guerra Mundial.

Segundo o ex-ministro, existiu desde janeiro, altura em que Alexis Tsipras chegou ao poder, uma espécie de "gabinete de guerra" em Atenas.

"Tivemos um gabinete de guerra desde janeiro, cinco ou seis pessoas a tratar de um possível "grexit" (saída da Grécia da zona euro). Considerámos todos os cenários possíveis nesse contexto, mas foram descartados", explicou.

No meio da crise, Varoufakis chegou a conceber um plano para introduzir na Grécia uma moeda paralela ao euro, que seria usada como instrumento para melhorar a posição negocial de Atenas.

"Esse é um tema a que dediquei toda a minha carreira académica", afirmou Varoufakis, considerado um especialista na chamada "teoria dos jogos".

O ex-responsável pela pasta das Finanças admitiu agir nas reuniões do Eurogrupo com uma tática de guerra psicológica, permanecendo sempre tranquilo num ambiente por vezes hostil.

Segundo o antigo ministro grego, o titular das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, é alguém que pode "explodir" em determinadas circunstâncias.

"Schäuble pode explodir e ser muito agressivo, eu vi como uma vez insultou o líder do Eurogrupo [Jeroen] Dijsselbloem", contou Varoufakis, ressalvando que consigo foi "sempre amável".

"Aprecio-o, gosto de Wolfgang e creio que ele aprecia os meus conhecimentos, Schäuble sabe o que quer e di-lo claramente, uma Europa autoritária e com menos estado social", destacou o ex-governante grego.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.