sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Bolsa de Atenas reabre hoje um mês depois de encerrada

A Bolsa de Valores de Atenas reabre hoje, após uma ausência de quase um mês devido à crise da dívida grega, suscitando grande atenção dos mercados.

YANNIS KOLESIDIS

Os bancos gregos enfrentam uma situação de grande vulnerabilidade devido ao levantamento de milhares de milhões de euros de depósitos ao longo dos últimos seis meses.

Cerca de 40 mil milhões de euros foram retirados dos bancos gregos desde dezembro, de acordo com a associação de bancos grega, e as quatro maiores instituições de crédito - Banco Nacional, Pireu, Alpha e Eurobanco - vão ser sujeitos a uma análise à qualidade do balanço dos seus ativos no final do mês.

Seguem-se testes de 'stress' no outono para determinar as necessidades de recapitalização de cada um dos bancos com recurso aos fundos de resgate europeus.

As autoridades gregas querem concluir a operação antes de os novos regulamentos europeus entrarem em vigor, a 01 de janeiro.

A partir de 2016, os custos de recapitalização dos bancos serão assegurados sobretudo pelos seus acionistas e depositantes, e não pelos contribuintes europeus, um processo conhecido como "bail-in".

A bolsa de Atenas encerrou a 26 de junho, com o principal índice a fixar-se nos 797.52 pontos, poucas horas antes de o primeiro-ministro, Alexis Tsipras, anunciar um referendo sobre as condições do resgate exigidas pelos credores da Grécia.

No fim de semana, os gregos acorreram em massa às caixas multibanco, levando o governo a impor um controle de capitais, a 29 de junho, bem como o encerramento dos bancos e da bolsa.

O objetivo foi proteger a banca dos levantamentos de depósitos em grande quantidade, à medida que os gregos ficavam cada vez mais preocupados com o futuro económico e financeiro do seu país.

Os bancos reabriram passadas três semanas, a 20 de julho, mas os levantamentos e transferências internacionais de dinheiro continuam sujeitos a um controlo apertado. Os gregos só podem levantar 420 euros por semana.

Lusa

  • Depois do Fogo
    23:30

    Reportagem Especial

    Foi o incêndio mais mortífero de que há memória. No dia 17 de junho, as chamas apanharam desprevenidos moradores de vários concelhos e fizeram pelo menos 64 mortos. O incêndio prolongou-se durante vários dias deixando um rasto de histórias de perda e de sobrevivência, mas também de solidariedade de um sem número de pessoas anónimas.

  • "A menina agora volta para casa. Nós não." 

    Foi o desabafo do Cesário que me fez escrever qualquer coisa sobre o que vivi na última semana. Eram dez e pouco da noite, tinha acabado a vigília de homenagem às vítimas em Figueiró dos Vinhos e ele ainda tinha na mão um balão branco que àquela hora já só estava meio cheio. Era o último dia de uma longa e dura jornada de trabalho e estávamos a arrumar as coisas para no dia seguinte regressarmos a Lisboa.

    Débora Henriques

  • Pagar IMI a prestações e um Documento Único Automóvel mais pequeno

    País

    O programa Simplex + 2017 é apresentado hoje à tarde e recebeu mais de 250 propostas de cidadãos ao longo dos últimos meses. As novas medidas preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

  • "A culpa morre sozinha?"
    0:41

    Opinião

    Luís Marques Mendes não acredita que o Ministério Público não formule uma acusação de homicídio por negligência e que não haja demissões na sequência do incêndio de Pedrógão Grande. O comentador da SIC debateu o tema este domingo no Jornal da Noite da SIC.

    Luís Marques Mendes

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24

    País

    Pedrógão Grande fez reviver o drama vivido pelas gentes da Serra do Caldeirão no verão de 2012. Falta de bombeiros, moradores retirados à força, casas e floresta destruídas são semelhanças que encontram nestes dramas separados por cinco anos.

  • Novo avião da TAP com pintura retro
    0:36

    Economia

    O novo avião da TAP chama-se "Portugal", tem uma pintura retro e vai sobrevoar os céus do pais a partir desta segunda-feira. A companhia aérea explica que o nome e a pintura são uma forma de homenagear a ligação histórica entre a empresa e o país.