sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Atenas espera que terceiro resgate seja ratificado a 18 de agosto

O terceiro resgate à Grécia vai começar a ser redigido já na quarta-feira e Atenas está disposta a fazer "o que for preciso" para que o acordo seja ratificado no Parlamento a 18 de agosto, foi esta terça-feira anunciado.

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras.

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras.

© Yiannis Kourtoglou / Reuters

Numa entrevista à cadeia privada de televisão Skai, a porta-voz do Governo grego, Olga Gerovasili, sublinhou contudo que para que haja acordo é preciso que o queiram todas as partes e que "a experiência demonstrou" que quanto mais perto se está do final, mais aumentam as pressões.

Segundo Gerovasili, na Europa ainda há "poderosos interesses estrangeiros" que, em cooperação com "alguns círculos nacionais", querem que - "por razões económicas" - a Grécia saia do euro.

Neste contexto, a porta-voz mencionou o denominado "'lobby' do dracma", numa alusão aos gregos que tiraram o seu dinheiro do país e que podem tirar proveito de uma saída da Grécia da zona euro, já que com as suas reservas em euros poderiam fazer fortunas em dracmas.

Por outro lado, Gerovasili deixou a porta aberta à possibilidade de convocar eleições antecipadas, mas recusou dar datas.

"Seria um erro planificar agora os acontecimentos políticos. O que o país precisa agora é de um Governo estável", adiantou.

No entanto, descartou a possibilidade de que a longo prazo possam continuar "a coexistir dois planos estratégicos diferentes" no Syriza, que ocorre na atualidade depois da ala mais radical ter recusado apoiar o terceiro resgate.

"Creio que duas opções políticas diferentes num só Governo são difíceis de sustentar-se", afirmou a porta-voz, que no entanto exclui a hipótese de formar uma coligação com os outros países da oposição.

A dissidência interna do Syriza levou o Governo de Alexis Tsipras a depender dos apoios parlamentares da oposição, que de facto converteu a coligação entre o Syriza e os nacionalistas Gregos Independentes num Governo de minoria.

O Comité Central do Syriza apoiou na semana passada a petição de Tsipras para convocar em setembro, previsivelmente depois da assinatura do resgate, um congresso extraordinário para debater o futuro do partido e uma possível cisão.

A Plataforma de Esquerda, a ala mais esquerdista do partido, queria que o congresso se realizasse antes da assinatura do acordo para dar assim a possibilidade às bases para pedirem ao governo para não assinar o resgate.

Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".