sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Depósitos atingiram mil milhões de euros em duas semanas na Grécia

O montante dos depósitos junto das instituições financeiras gregas terá aumentado em mil milhões de euros desde a reabertura dos bancos, a 20 de julho, segundo fonte do Banco da Grécia citada pela Bloomberg.

© Pawel Kopczynski / Reuters

De acordo com a mesma fonte, citada pela agência de informação financeira, os bancos gregos serão submetidos a testes de 'stress' pelo Banco Central Europeu (BCE), que irá avaliar igualmente a situação financeira e as necessidades das instituições financeiras gregas.

Depois do alívio nas limitações associadas ao controlo de capitais, os bancos gregos registaram agora um aumento do valor dos depósitos em torno dos mil milhões de euros desde a sua reabertura, a 20 de junho, segundo o responsável.

Em junho, o volume de depósitos recuou 5,9%, num total de 7,69 mil milhões de euros, para 122,2 mil milhões.

A bolsa de Atenas fechou hoje a cair 1,22%, bem abaixo da queda histórica de 16,23% de segunda-feira, mas com os títulos dos bancos com um 'rombo' de quase 30%.

Apesar de a queda de hoje do índice bolsista ATHEX ter ficado longe do recuo de 16,23% de segunda-feira, o mais baixo desde setembro de 2012 logo no dia de reabertura das negociações após cinco semanas da bolsa de Atenas fechada, as ações dos bancos voltaram a ser muito penalizadas, tendo o setor caído 29,26%, perto do limite máximo de quebra permitido numa sessão (30%).

O Alpha Bank caiu 29,65%, o Banco Nacional 28,45%, o Banco do Pireu 30% e o Eurobank 29,70%.

No âmbito do terceiro pacote de resgate que o Governo grego está a negociar com os credores, de cerca de 86 mil milhões de euros, estima-se que até 25 mil milhões serão usados para recapitalização dos bancos gregos ou mesmo para fazer face a eventuais falências.

Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.