sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Estado grego tem de encaixar 6,4 mil milhões de euros em privatizações até 2018

O Governo grego comprometeu-se a aplicar uma série de medidas nos próximos três anos, como contrapartida ao terceiro resgate internacional, e a implementar um "ambicioso programa de privatizações" que pretende encaixar 6,4 mil milhões de euros até 2017.

Petros Karadjias

No memorando de entendimento acordado entre Atenas e Bruxelas, com data de 11 de agosto e divulgado hoje pelo Finantial Times, são identificados os quatro pilares do novo programa: "restaurar a sustentabilidade orçamental", "salvaguardar a estabilidade financeira", dar prioridade ao "crescimento, à competitividade e ao investimento" e promover "um Estado e uma administração pública modernos".

Para isso, ao longo de 29 páginas, estão listadas medidas que abarcam praticamente todas as áreas, desde os preços dos medicamentos, aos impostos sobre os combustíveis, combate à evasão fiscal, aumento da idade da reforma para os 67 anos e a realização de um "ambicioso programa de privatizações".

Reconhecendo que "o processo de privatizações ficou num impasse desde o início do ano", o memorando assegura que "o Governo está agora comprometido em prosseguir com um ambicioso programa de privatizações".

O objetivo financeiro deste programa de privatizações é o Estado encaixar 1,4 mil milhões de euros este ano, 3,7 mil milhões em 2016 e mais 1,3 mil milhões de euros em 2017, num total de 6,4 mil milhões de euros em três anos.

O documento adianta que vai ser criado um "novo fundo independente" que vai gerir os "ativos gregos valiosos". Este fundo vai ser "estabelecido na Grécia e gerido pelas autoridades gregas", mas ficará "sob a supervisão das instituições europeias relevantes".

Na frente orçamental, as autoridades gregas comprometeram-se com um défice orçamental primário (excluindo os encargos com a dívida pública) de 0,25% em 2015 e com excedentes primários de 0,5 no próximo ano, de 1,75% em 2017 e de 3,5% em 2018 e nos anos seguintes.

"Para demonstrar o seu compromisso com políticas orçamentais credíveis, o Governo vai adotar, em outubro de 2015, um orçamento retificativo para 2015 como necessário, o projeto do orçamento para 2016 e o programa de estratégia orçamental de médio prazo para 2016 a 2018", com medidas que incluem "uma segunda fase da reforma de pensões", "uma reforma do código fiscal sobre o rendimento" e "a eliminação gradual do tratamento fiscal preferencial dado aos agricultores".

Além disso, está a ser desenvolvida uma estratégia para o setor agrícola, um imposto sobre os anúncios televisivos, a eliminação gradual do tratamento fiscal especial dado à indústria naval, o corte permanente do teto à despesa militar em 100 milhões de euros em 2015 e em 400 milhões de euros em 2016.

A somar a estas medidas, os gregos comprometeram-se ainda a "legislar em outubro de 2015 medidas estruturais credíveis no valor de pelo menos 0,75% do Produto Interno Bruto (PIB) para entrarem em vigor em 2017 e de 0,25% para 2018 para ajudar a alcançar um saldo orçamental primário de 3,5% do PIB".

Este compromisso implica "tomar medidas estruturais adicionais em outubro de 2016, se necessário, para garantir os objetivos de 2017 e de 2018".

No que se refere ao sistema de pensões, as partes consideram que "são precisos passos muito mais ambiciosos para combater os desafios que persistem" e, para isso, as autoridades helénicas comprometem-se a adotar reformas que permitam poupanças de cerca de 0,25% do PIB em 2015 e cerca de 1% do PIB em 2016, bem como a "criar desincentivos à reforma antecipada", aumentando as penalizações. A idade da reforma deverá ser aumentada para os 67 anos.

O setor bancário é também uma prioridade deste terceiro programa de resgate, não podendo, no entanto, as autoridades gregas decidir sozinhas nesta matéria: "Não serão tomadas medidas orçamentais ou outras políticas unilateralmente pelas autoridades".

"Todas as medidas - legislativas ou outras - tomadas durante o período do programa e que possam ter impacto nas operações dos bancos, na sua solvência, liquidez e qualidade dos ativos, etc. devem ser tomadas em consulta próxima com a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional e, quando relevante, com o Mecanismo Europeu de Estabilidade", refere ainda o memorando.

O programa de resgate prevê "uma almofada de até 25 mil milhões de euros" para satisfazer eventuais necessidades de recapitalização dos bancos gregos viáveis e os custos de resolução dos não viáveis e, a título de "ação prévia", o governo de Tsipras terá de ainda de desenvolver uma "estratégia credível para combater o problema do crédito malparado.

Lusa

  • Sporting de Braga afastado da Liga Europa

    Liga Europa

    O Sporting de Braga derrotou esta quinta-feira o Marselha, em Braga, por 1-0, na segunda mão dos 16 avos de final da Liga Europa. Um triunfo insuficiente para o apuramento, depois do desaire da equipa minhota em França (3-0).

  • Sporting nos oitavos de final da Liga Europa

    Liga Europa

    O Sporting garantiu esta quinta-feira o apuramento para os oitavos de final da Liga Europa, ao empatar frente ao Astana, em Alvalade, a três golos, na segunda mão dos 16 avos de final, depois de ter triunfado no Cazaquistão por 3-1. Veja ou reveja todos os golos do encontro.

  • Os 36 golos dos 16 avos da Liga Europa

    Liga Europa

    A jornada europeia ficou marcada, no panorama das equipas portuguesas, pelo apuramento do Sporting e pela eliminação do Sporting de Braga. Os leões passam assim a ser o único clube luso em prova na Liga Europa. Nos oitavos de final, o emblema de Alvalade pode encontrar adversários como o Arsenal, o Atlético de Madrid ou o AC Milan. O sorteio realiza-se esta sexta-feira, ao meio-dia. Aqui, veja ou reveja todos os golos da segunda mão dos 16 avos de final da Liga Europa.

  • "O dia a dia na Síria também é lutar por um pão"
    10:13

    Mundo

    Desde domingo que os bombardeamentos do regime sírio a Ghouta já fizeram mais de 400 mortos. Ghouta é o último reduto rebelde nos arredores da capital da síria, onde as forças fiéis a Bashar Al Assad iniciaram no domingo uma intervenção militar de larga escala. Cândida Pinto, editora de Internacional da SIC, e a psicóloga Maria Palha, que já esteve na Síria ao serviço dos Médicos Sem Fronteiras, estiveram na Edição da Noite da SIC Notícias para falar sobre o assunto.

  • O estranho caso do mergulhador Alejandro Ramos

    Mundo

    O mergulhador Alejandro Ramos tornou-se num caso de investigação do Centro Médico Naval do Peru, depois do seu corpo ter começado a inchar sem qualquer explicação aparente. Isto aconteceu há quatro anos, minutos depois de ter emergido da água, onde tinha estado a trabalhar durante muitas horas.

    SIC

  • Jane Seymour posa para a Playboy aos 67 anos

    Cultura

    Esta é a terceira vez que a atriz inglesa de 67 anos participa numa sessão fotográfica para a revista Playboy. Jane Seymour aproveitou a oportunidade para se juntar ao movimento #MeToo e falar sobre as agressões sexuais que sofreu às mãos de um produtor, em 1972.

  • Não dá mais, Brasil!
    18:00
  • Proposta de um cessar-fogo na Síria sem acordo

    Mundo

    O embaixador da Rússia junto das Nações Unidas afirmou esta quinta-feira que os 15 membros do Conselho de Segurança não alcançaram um acordo para aprovar um cessar-fogo de 30 dias na Síria, proposta negociada há mais de duas semanas.