sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Bruxelas estima que dívida pública grega supere os 200% do PIB em 2016

A dívida grega deverá disparar para os 201% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2016, com o terceiro resgate financeiro que está em discussão e que vai impor mais medidas de austeridade nos próximos três anos, segundo estimativas europeias.

O Governo grego comprometeu-se a aplicar uma série de medidas nos próximos três anos, como contrapartida ao terceiro resgate internacional, e a implementar um "ambicioso programa de privatizações", com o qual pretende encaixar 6,4 mil milhões de euros até 2017.

O Governo grego comprometeu-se a aplicar uma série de medidas nos próximos três anos, como contrapartida ao terceiro resgate internacional, e a implementar um "ambicioso programa de privatizações", com o qual pretende encaixar 6,4 mil milhões de euros até 2017.

Petros Karadjias / AP

De acordo com um documento que está a ser citado pela Bloomberg, as instituições europeias manifestaram "sérias preocupações quanto à sustentabilidade da dívida pública da Grécia", mas consideram que o problema pode ser resolvido sem haver um perdão do montante em valor nominal ('haircut') se forem ajustados os termos do pagamento, alargando o prazo para reembolso do empréstimo e os períodos de carência.

Numa altura em que os deputados gregos estão a debater no parlamento o terceiro resgate financeiro, as instituições europeias estimam que, com este novo programa de resgate, a dívida pública helénica suba para os 201% do PIB no próximo ano, caindo para os 160% em 2022, segundo o mesmo documento.

No início da semana, a Grécia e os credores alcançaram um acordo técnico para um programa de assistência financeira no valor de 85 mil milhões de euros, mas Atenas, que enfrenta problemas de liquidez, tem de pagar ao Banco Central Europeu (BCE) 3,4 mil milhões de euros a 20 de agosto.

O Parlamento grego deverá aprovar o acordo já alcançado com os credores internacionais antes da reunião de sexta-feira dos ministros das Finanças da zona euro e, depois, vários parlamentos nacionais terão de se pronunciar para que a primeira tranche do empréstimo seja disponibilizada antes de 20 de agosto.

O Governo grego comprometeu-se a aplicar uma série de medidas nos próximos três anos, como contrapartida ao terceiro resgate internacional, e a implementar um "ambicioso programa de privatizações", com o qual pretende encaixar 6,4 mil milhões de euros até 2017.

O objetivo financeiro deste programa de privatizações é o Estado encaixar 1,4 mil milhões de euros este ano, 3,7 mil milhões em 2016 e mais 1,3 mil milhões de euros em 2017, num total de 6,4 mil milhões de euros em três anos.

Na frente orçamental, as autoridades gregas comprometeram-se com um défice orçamental primário (excluindo os encargos com a dívida pública) de 0,25% em 2015 e com excedentes primários de 0,5 no próximo ano, de 1,75% em 2017 e de 3,5% em 2018 e nos anos seguintes.

A somar a estas medidas, os gregos comprometeram-se ainda a "legislar em outubro de 2015 medidas estruturais credíveis no valor de pelo menos 0,75% do Produto Interno Bruto (PIB) para entrarem em vigor em 2017 e de 0,25% para 2018 para ajudar a alcançar um saldo orçamental primário de 3,5% do PIB".

No que se refere ao sistema de pensões, as partes consideram que "são precisos passos muito mais ambiciosos para combater os desafios que persistem" e, para isso, as autoridades helénicas comprometem-se a adotar reformas que permitam poupanças de cerca de 0,25% do PIB em 2015 e cerca de 1% do PIB em 2016, bem como a "criar desincentivos à reforma antecipada", aumentando as penalizações. A idade da reforma deverá ser aumentada para os 67 anos.

O programa de resgate prevê "uma almofada de até 25 mil milhões de euros" para satisfazer eventuais necessidades de recapitalização dos bancos gregos viáveis e os custos de resolução dos não viáveis e, a título de "ação prévia", o Governo de Tsipras terá de ainda de desenvolver uma estratégia credível para combater o problema do crédito malparado.

Lusa

  • "Não há um verdadeiro debate democrático em Espanha"
    2:24
    Quadratura do Círculo

    Quadratura do Círculo

    QUINTA-FEIRA 23:00

    No Quadratura do Círculo desta quinta-feira, José Pacheco Pereira disse que este braço de ferro em território espanhol reforça a linha autoritária que existe em Espanha. Jorge Coelho considera que é urgente recorrer à diplomacia para definir um caminho a médio ou a longo prazo. Já o gestor Manuel Queiró afirma que Portugal não deve encarar este referendo com condescendência. 

  • O que separa a Catalunha do resto de Espanha?
    2:12

    Mundo

    Desde 1640, as revoltas catalãs representam a vontade pela distância e pela independência. Numa região que não é reconhecida formalmente como Nação, na Catalunha entende-se e fala-se mais castelhano do que catalão. Mas o que realmente separa a Catalunha do resto de Espanha?

  • A corrida ao iPhone 8 no Japão, China e Austrália
    2:04
  • Óculos inteligentes permitem controlar telemóvel com o nariz
    1:05
  • Defesa de Sócrates diz que junção do caso Rio Forte à Operação Marquês é ilegal
    0:50

    Operação Marquês

    A defesa de José Sócrates diz que a junção do caso Rio Forte à Operação Marquês é ilegal. A aplicação de 900 milhões de euros da PT no BES foi anexada ao processo, por suspeita de luvas pagas por Ricardo Salgado a Zeinal Bava e Henrique Granadeiro, também arguidos. A defesa do antigo primeiro-ministro já contestou a decisão. Diz que é uma forma de confundir o processo para ocultar, mais uma vez, a falta de provas contra Sócrates.

  • Família Portugal Ramos
    15:01