sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Se resgate grego falhar pode surgir novo stress financeiro na zona euro, avisa FMI

O Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou hoje que, se o programa de resgate grego falhar devido a incerteza política ou a algum cansaço reformista, "pode ressurgir o stress financeiro na zona euro".

O Governo grego comprometeu-se a aplicar uma série de medidas nos próximos três anos, como contrapartida ao terceiro resgate internacional, e a implementar um "ambicioso programa de privatizações", com o qual pretende encaixar 6,4 mil milhões de euros até 2017.

O Governo grego comprometeu-se a aplicar uma série de medidas nos próximos três anos, como contrapartida ao terceiro resgate internacional, e a implementar um "ambicioso programa de privatizações", com o qual pretende encaixar 6,4 mil milhões de euros até 2017.

Petros Karadjias / AP

Numa nota preparatória da reunião do G20, que começa na sexta-feira em Ancara, o FMI considera que "os riscos [para a atividade económica global] continuam do lado negativo" e alerta que "a materialização de alguns destes riscos iria implicar perspetivas de crescimento muito mais fracas".

Em particular no que se refere à Grécia, no documento que não vincula o Conselho de Administração do Fundo, lê-se que a reação dos mercados financeiros às incertezas quanto às negociações do novo programa de ajuda financeira à Grécia "foi limitada" e que "os riscos diminuíram significativamente desde o acordo para um novo programa do Mecanismo Europeu de Estabilidade para a Grécia".

No entanto, a instituição liderada por Christine Lagarde deixa um aviso: "se a implementação do programa falhar devido a incerteza política ou a fatiga nas reformas, pode ressurgir o stress financeiro na zona euro".

No dia 11 de agosto, o Governo grego e as instituições credoras (Comissão Europeia, Banco Central Europeu, Fundo Monetário Internacional e Mecanismo Europeu de Estabilidade) chegaram a acordo para conceder à Grécia um empréstimo de cerca de 86 mil milhões de euros em três anos.

Segundo o acordo, os credores terão de fazer avaliações a cada três meses (a primeira está prevista para outubro) com o objetivo de verificar o avanço das reformas que o Governo prometeu fazer.

No documento hoje divulgado, o Fundo sublinha ainda que o crescimento da economia mundial "continua moderado", o que se deve, por um lado, a um maior abrandamento das economias emergentes e, por outro, à fraca recuperação das economias desenvolvidas.

ND (EO) // JPS

Lusa/fim

NewsSubjects:- Economia, Negócios e Finanças - Macroeconomia - Organizações internacionais - Energia - Dinheiro e política monetária - Economia (geral) - cooperação económica - juros - instituições económicas internacionais - comércio externo - mercado monetário - banco central - orçamento - mercado financeiro - mercado de dívida - consumo - inflação

20150903T071209

  • "De hoje em diante, só a América virá em primeiro lugar"
    3:20
  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39

    Mundo

    As primeiras decisões da era Trump não tardaram. O 45.º Presidente dos Estados Unidos da América já avançou com algumas medidas, entre elas, a confirmação dos nomes que vão compor a nova administração e a criação do Dia do Patriotismo.

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.