sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Se resgate grego falhar pode surgir novo stress financeiro na zona euro, avisa FMI

O Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou hoje que, se o programa de resgate grego falhar devido a incerteza política ou a algum cansaço reformista, "pode ressurgir o stress financeiro na zona euro".

O Governo grego comprometeu-se a aplicar uma série de medidas nos próximos três anos, como contrapartida ao terceiro resgate internacional, e a implementar um "ambicioso programa de privatizações", com o qual pretende encaixar 6,4 mil milhões de euros até 2017.

O Governo grego comprometeu-se a aplicar uma série de medidas nos próximos três anos, como contrapartida ao terceiro resgate internacional, e a implementar um "ambicioso programa de privatizações", com o qual pretende encaixar 6,4 mil milhões de euros até 2017.

Petros Karadjias / AP

Numa nota preparatória da reunião do G20, que começa na sexta-feira em Ancara, o FMI considera que "os riscos [para a atividade económica global] continuam do lado negativo" e alerta que "a materialização de alguns destes riscos iria implicar perspetivas de crescimento muito mais fracas".

Em particular no que se refere à Grécia, no documento que não vincula o Conselho de Administração do Fundo, lê-se que a reação dos mercados financeiros às incertezas quanto às negociações do novo programa de ajuda financeira à Grécia "foi limitada" e que "os riscos diminuíram significativamente desde o acordo para um novo programa do Mecanismo Europeu de Estabilidade para a Grécia".

No entanto, a instituição liderada por Christine Lagarde deixa um aviso: "se a implementação do programa falhar devido a incerteza política ou a fatiga nas reformas, pode ressurgir o stress financeiro na zona euro".

No dia 11 de agosto, o Governo grego e as instituições credoras (Comissão Europeia, Banco Central Europeu, Fundo Monetário Internacional e Mecanismo Europeu de Estabilidade) chegaram a acordo para conceder à Grécia um empréstimo de cerca de 86 mil milhões de euros em três anos.

Segundo o acordo, os credores terão de fazer avaliações a cada três meses (a primeira está prevista para outubro) com o objetivo de verificar o avanço das reformas que o Governo prometeu fazer.

No documento hoje divulgado, o Fundo sublinha ainda que o crescimento da economia mundial "continua moderado", o que se deve, por um lado, a um maior abrandamento das economias emergentes e, por outro, à fraca recuperação das economias desenvolvidas.

ND (EO) // JPS

Lusa/fim

NewsSubjects:- Economia, Negócios e Finanças - Macroeconomia - Organizações internacionais - Energia - Dinheiro e política monetária - Economia (geral) - cooperação económica - juros - instituições económicas internacionais - comércio externo - mercado monetário - banco central - orçamento - mercado financeiro - mercado de dívida - consumo - inflação

20150903T071209

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.