sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Syriza diz que Gregos vão ter governo para quatro anos e nova fase da vida política

Um conselheiro do líder do Syriza - o partido que pretende voltar a governar a Grécia, com um mandato renovado nas eleições antecipadas de domingo - disse hoje à Lusa estar confiante que os gregos vão ter um governo de longa duração.

O BCE decidiu esta quarta-feira que não vai aumentar a linha de liquidez de emergência para os bancos nas próximas duas semanas, ainda que o Banco Central da Grécia não tenha feito nenhum pedido. (Arquivo)

O BCE decidiu esta quarta-feira que não vai aumentar a linha de liquidez de emergência para os bancos nas próximas duas semanas, ainda que o Banco Central da Grécia não tenha feito nenhum pedido. (Arquivo)

© Francois Lenoir / Reuters

"No domingo ou na segunda-feira haverá um governo grego de longa de duração, para quatro anos e não para alguns meses. Posso garantir que no domingo entramos numa nova fase da vida política grega, porque o Syriza também entrará numa nova fase como partido", afirmou Panos Trigazis, economista, coordenador de relações internacionais do Syriza e conselheiro próximo de Alexis Tsipras, que foi primeiro-ministro entre janeiro e 20 de agosto, quando apresentou a demissão precipitando a convocação das legislativas antecipadas.

Habituado a produzir declarações chamativas, Trigazis atira com um sorriso que "há um ditado grego que diz que 'a terceira vez é a melhor' por isso estas eleições vão ser uma boa ocasião para o Syriza, não apenas por vencer as eleições, mas também porque agora o partido se apresenta numa plataforma mais clarificada".

O conselheiro de Tsipras referia-se ao facto de no domingo os gregos irem votar pela terceira vez este ano -- depois de eleições, também antecipadas, em janeiro e de um referendo em julho - e à cisão do partido operada por um grupo de 25 deputados da ala mais à esquerda do Syriza, que tem como designação oficial "Coligação da Esquerda Radical", e que formaram o partido Unidade Popular.

A cisão, que determinou a demissão do governo perante a debandada de parte significativa da sua bancada parlamentar, foi provocada pela aprovação no parlamento grego de um novo pacote de austeridade associado a um terceiro resgate financeiro da Grécia, no valor de 86 mil milhões de euros, que Tsipras acordou em Bruxelas depois de um desgastante processo negocial que o forçou a recuar em promessas feitas sobre acabar com a austeridade na Grécia.

Para Panos Trigazis, o Unidade Popular - eurocético, que defende o fim da austeridade, o não-pagamento da dívida grega e a saída da Grécia do euro - "representa o socialismo antiquado" de "membros do Syriza que nunca perceberam o que é o Syriza e o que é uma esquerda moderna", enquanto o Syriza, agora "depurado", é a "esquerda do século XXI".

O Syriza disputa a vitória nas eleições de domingo com o partido conservador Nova Democracia (ND), liderado desde julho por Vangelis Meimarakis, líder interino que conseguiu fazer o partido subir nas sondagens de uma posição de clara inferioridade até ao virtual empate e com sondagens divulgadas na noite de terça-feira a avançarem mesmo uma vantagem do ND sobre o Syriza.

Mas a formação de um governo de coligação é o desfecho dado como certo e Panos Trigazis reiterou hoje à Lusa a recusa de qualquer entendimento com o ND que tem sido afirmada por Alexis Tsipras.

Excluído o ND, Trigazis diz que o socialista PASOK e o partido de centro-esquerda To Potami são parceiros prováveis de uma coligação para alcançar o tal governo de longa duração.

"O que o Syriza defenderá sempre é que haverá um processo negocial aberto para definir um programa de governo que outros partidos possam subscrever. Essa será a base de trabalho, a discussão de um programa de governo. Os partidos que se sintam confortáveis com esse programa comum poderão integrar uma coligação", disse o conselheiro de Tsipras.

"Nunca devemos subestimar o que se consegue através da negociação", adiantou.

Panos Trigazis disse ainda que depois das eleições, se o Syriza formar governo, "a luta essencial será a de debater a questão da dívida grega".

"Uma das conquistas do processo negocial que resultou no novo pacote de austeridade foi o ter deixado em aberto essa questão e ter deixado aberta a possibilidade de serem discutidos mecanismos de renegociação ou flexibilização da dívida, o que poderá permitir à Grécia iniciar um caminho de recuperação, que agora é impossível dado que o pagamento de juros da dívida consome todos os recursos".

Face a criticas de que a convocação de eleições antecipadas foi apenas uma estratégia para o Syriza resolver problemas internos, Trigazis afirma que "era necessária uma renovação do mandato para governar depois de o partido ter perdido a maioria parlamentar e em democracia e isso faz-se com eleições".

Lusa

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45
  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.

  • Relação de Portugal com Angola é "insubstituível"
    1:00

    País

    Paulo Portas considera que a relação de Portugal com Angola é insubstituível. Numa entrevista ao Jornal de Negócios, o ex vice-primeiro-ministro defende que o país deve ser profissional no relacionamento político com Luanda.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.