sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Líder do Podemos diz que resultados das eleições gregas vão mostrar que há sonhos para o futuro

O líder do partido espanhol Podemos, Pablo Iglesias, afirmou hoje, em Atenas, que os resultados das eleições de domingo na Grécia vão demonstrar que o povo grego tem sonhos para o futuro.

© Paul Hanna / Reuters

"Estas eleições colocam uma questão muito clara que é saber se queremos mais passado ou mais futuro. Os resultados de domingo vão demonstrar que o povo grego tem sonhos para o futuro", disse Pablo Iglesias na capital grega, onde se encontra para apoiar o partido Syriza.

"Um futuro que nos permita imaginar uma Europa mais justa e mais social, que defenda os direitos das pessoas e dos cidadãos", pediu o dirigente do Podemos, que falava aos jornalistas momentos antes do início do comício de encerramento da campanha eleitoral do Syriza.

A Grécia realiza domingo eleições legislativas antecipadas convocadas na sequências da demissão do líder do Syriza, Alexis Tsipras, do cargo de primeiro-ministro, depois de perder uma parte da sua bancada parlamentar devido a uma cisão de 25 deputados da ala mais à esquerda do partido.

Nas declarações aos jornalistas, Pablo Iglesias defendeu que a questão que se coloca não é quem "vai representar a nova esquerda na Europa, mas quem representa a maioria do povo ou quem representa apenas os privilegiados".

"O que aconteceu no Reino Unido com a eleição de Jeremy Corbyn (novo líder do Partido Trabalhista britânico) significa que cada vez somos mais os que, vindos de diferentes quadrantes, dizemos que é necessários defender os direitos sociais", sublinhou.

Jeremy Corbyn, 66 anos, mais próximo dos movimentos contra a austeridade - do grego Syriza e do espanhol Podemos - do que da Terceira Via de Tony Blair, conseguiu consolidar o seu estatuto junto dos jovens e velhos militantes e sindicatos e foi eleito sábado líder do Partido Trabalhista britânico.

Numa referência direta à demissão de Alexis Tsipras do cargo de primeiro-ministro grego, Pablo Iglésias disse que o líder do Syriza "tomou uma decisão que nenhum governante europeu tinha tomado antes".

"Quando teve de tomar uma decisão muito difícil, perguntou aos gregos se queriam que continuasse primeiro-ministro. Oxalá esse exemplo fosse seguido pelos governantes de outros países", disse.

Confrontado com o facto de o deputado do Podemos pela Andaluzia, Jesus Rodriguez, ter participado num comício do Partido Unidade Popular, formado por dissidentes do Syriza, Pablo Iglésias disse apenas que "cada militante pode ter a sua própria opinião", mas o Podemos apoia Alexis Tsipras.

Lusa

  • Marcelo condecora hoje Francisco Sá Carneiro a título póstumo
    0:55

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa vai condecorar hoje Francisco Sá Carneiro, a título póstumo. A cerimónia será incluída nas celebrações do 25 de Abril. Também a título póstumo, o Presidente da República vai ainda homenagear o antigo bispo do Porto D. António Ferreira Gomes. As condecorações têm lugar esta tarde no Palácio de Belém para onde já estava marcada a condecoração do arquiteto Siza Vieira. Todos, diz Marcelo, são figuras ligadas à liberdade e democracia.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.