sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Novo Governo de Tsipras toma posse

O novo Governo grego de Alexis Tsipras, cuja composição foi anunciada na noite de terça-feira, tomou hoje posse, antes da partida do primeiro-ministro para a cimeira europeia em Bruxelas.

(arquivo)

(arquivo)

© Alkis Konstantinidis / Reuter


A equipa de Tsipras integra vários ministros do anterior executivo, como Euclid Tsakalotos nas Finanças, cuja primeira tarefa vai ser a aplicação do plano de resgate de 86 mil milhões de euros em três anos, concluído com os credores do país, UE e Fundo Monetário Internacional (FMI), em julho.

Georges Chouliarakis é o adjunto de Tsakalotos.

A pasta da Defesa fica, uma vez mais, com Panos Kammenos, o presidente do partido Gregos Independentes (direita nacionalista), que junta dez deputados aos 145 do Syriza de Tsipras, para conseguir uma maioria absoluta no parlamento (155 em 300).

Kammenos esteve perto de não conseguir, no domingo, votos suficientes para entrar no parlamento e a formação ultrapassou à justa (3,73%) o limiar dos 3% necessários para ter representação parlamentar.

Outro dos ministros que se mantém no cargo é Nikos Kotsias, nos Negócios Estrangeiros.

O novo Governo é composto por 16 ministros, mais três do que no primeiro executivo de Tsipras, 16 ministros adjuntos (menos dois do que em janeiro) e 12 vice-ministros (mais dois).

Como no primeiro Governo de Tsipras, em janeiro, os ministros prestaram juramento em dois momentos diferentes, numa cerimónia na Presidência da República.

O primeiro grupo, no qual se encontrava Kammenos, prestou juramento sobre o Evangelho, perante dignitários religiosos ortodoxos. O segundo, mais importante, prestou um juramento civil perante o Presidente da Grécia, Prokopis Pavlopoulos.

Lusa

  • Como se sobrevive à dor em Nodeirinho e Pobrais
    2:43
  • Raphäel Guerreiro vai continuar a acompanhar a seleção
    1:08
  • 74 mil alunos do secundário têm a vida "suspensa" 
    2:22

    País

    Enquanto o Ministério Público investiga a fuga de informação no exame nacional de Português do 12.º ano, 74 mil estudantes ficam com a vida suspensa. Se a fuga se confirmar, o exame corre o risco de ser anulado e as candidaturas ao ensino superior atrasam. O Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), responsável pelos exames, prometeu esclarecimentos para os próximos dias.