sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

BCE reduziu em 1.000 M€ provisão de liquidez de urgência a bancos gregos

O Banco Central Europeu (BCE) reduziu, a pedido do Banco da Grécia, em 1.000 milhões de euros o 'plafond' do mecanismo de provisão de liquidez de urgência para os bancos gregos, porque as necessidades destes diminuíram.

© Christian Hartmann / Reuters

Segundo informou hoje o Banco da Grécia em comunicado, o 'plafond' máximo do mecanismo de provisão de liquidez de urgência (ELA, Emergency Liquidity Assistance) para os bancos gregos fica agora em 87.900 milhões de euros até 22 de outubro, data em que está prevista a próxima reunião do conselho de governadores do BCE.

Esta redução reflete a melhoria da liquidez dos bancos gregos, que decorreu em simultâneo com uma diminuição da incerteza e da estabilização do fluxo de depósitos no setor privado, adiantou o banco central grego no comunicado.

A última diminuição do 'plafond' ocorreu a 17 de setembro último, quando o BCE reduziu em 200 milhões de euros.

Em julho, depois da decisão do BCE de não oferecer mais liquidez, o Governo grego chefiado por Alexis Tsipras impôs um controlo de capitais que manteve os bancos gregos fechados durante três semanas.

Depois do acordo de resgate alcançado com os credores internacionais, o mecanismo de provisão de liquidez de urgência foi restabelecido.

Para evitar uma saída massiva de depósitos em clima de plena incerteza política e económica, os controlos de capitais mantiveram-se e continuam em vigor até à data, mas com muito menos restrições.

Lusa

  • Seca agrava prejuízos agrícolas no Alentejo
    2:11
  • Al Gore e Garry Kasparov vão estar na Web Summit

    Web Summit

    Al Gore, antigo vice-Presidente dos Estados Unidos da América, Garry Kasparov, lendário jogador de xadrez, e Steve Huffman, o dirigente e cofundador da rede social Reddit são os novos nomes anunciados para a 2.ª Web Summit em Lisboa.

  • Estudantes universitários poderiam estar a pagar propinas mais baixas
    2:02

    País

    Os alunos universtários poderiam estar a pagar propinas mais baixas do que pagam atualmente. A situação foi denunciada pela Federação Académica do Porto, que diz que os estudantes estão a pagar cerca de 100 euros a mais do que deviam. O INE admite, num documento enviado ao Governo, que pode existir um método melhor para o cálculo destes valores.