sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Sindicatos gregos convocam nova greve geral contra a reforma fiscal e das pensões

Os sindicatos gregos anunciaram hoje uma greve geral para sexta-feira e sábado em protesto contra as polémicas reformas fiscal e das pensões que vão ser debatidas em breve no parlamento.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

reuters

"O Governo tenta surpreender a sociedade com a votação das reformas de pensões e fiscal durante o fim de semana", denunciou, em comunicado, a Confederação Geral de Trabalhadores da Grécia (GSEE), o sindicato maioritário do setor privado, antes de acusar o executivo de "golpe parlamentar" e apelando aos trabalhadores e reformados para comparecerem em massa nas manifestações contra as reformas.

O sindicato do funcionalismo público ADEDY também convocou uma greve para os próximos dois dias "contra os impostos insuportáveis e injustos que o Governo impõe aos trabalhadores e ao povo".

Os agricultores, que em janeiro e fevereiro bloquearam as estradas gregas durante seis semanas em protesto contra as polémicas reformas, também anunciaram uma manifestação em frente ao parlamento para domingo.

Por sua vez, os trabalhadores da marinha mercante tinham anunciado uma greve de quatro dias em todas as embarcações a partir das 06:00 locais de sexta-feira (04:00 em Lisboa), até às 06:00 locais de terça-feira.

O sindicato dos jornalistas POESY também anunciou a sua adesão à greve convocada pelas duas centrais sindicais.

"A decisão está tomada, teremos de decidir os detalhes", informou o presidente do POESY, Dimitris Kubias.

A reforma das pensões sugerida pelo Governo Syriza-Anel, de Alexis Tsipras, inclui-se no terceiro pacote de resgate à Grécia, e pretende poupar 1.800 milhões de dólares anuais destinados às reformas através do corte das pensões suplementares e de um aumento das cotizações de trabalhadores e patrões.

A reforma fiscal contempla aumentos do imposto sobre os rendimentos com o objetivo de aumentar as receitas do Estado em 1.800 milhões de euros por ano, enquanto outra lei, ainda não apresentada no parlamento, prevê um aumento do IVA de 23% para 24%, e de outros impostos indiretos, para garantir outra receita de 1.800 milhões de euros anuais.

Os advogados e notários mantêm desde janeiro uma greve ilimitada, enquanto outras profissões liberais (incluindo engenheiros e farmacêuticos) têm multiplicado os protestos.

Este pacote de medidas tem como objetivo obter um excedente primário (sem juros da dívida) de 3,5% do PIB em 2018, de acordo com o previsto no terceiro plano de resgate negociado em julho de 2015 entre o Governo grego e os credores internacionais.

Lusa

  • PJ faz buscas no Benfica sobre o caso dos e-mails

    Desporto

    A Polícia Judiciária está a fazer buscas em instações no Benfica devido ao caso dos e-mails divulgado pelo diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques. Contactado pela SIC, o clube da Luz diz que desconhece a ação da PJ.

    Em atualização

  • Governo prepara pacote de medidas para matas ardidas

    País

    O Governo vai preparar um pacote de medidas para as matas nacionais afetadas pelos incêndios, que passa pela elaboração de um relatório de ocorrências, por um programa de intervenção e pela aplicação da receita da madeira nessas matas.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • Acabou o estado de graça

    Sá Carneiro dizia que qualquer Governo tem direito a um estado de graça de 100 dias. E que, depois disso, já não tem margem para deitar culpas ao Governo anterior. O discurso de Marcelo, no terreno, junto das vítimas, e não na torre de marfim de Belém, marca o tal "novo ciclo" que o Presidente há muito tinha anunciado, com data marcada: depois das autárquicas.

    Pedro Cruz

  • "O primeiro-ministro falhou em toda a linha"
    4:36

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares não acredita que a ministra da Administração Interna se despediu: "ela foi demitida pela Presidente ontem à noite publicamente". No Jornal da Noite, esta quarta-feira, o comentador da SIC declarou que o primeiro-ministro "falhou em toda a linha" e questionou se António Costa tinha a "coragem política de fazer o que é preciso". Sobre os incêndios, Miguel Sousa Tavares disse ainda que o maior problema não era haver reacendimentos, mas sim "não serem logo apagados e propagarem-se".

    Miguel Sousa Tavares

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07
  • Leiria perdeu 80% do Pinhal nos incêndios
    1:51
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51
  • "O povo exige um novo ciclo"
    1:10

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exige que o primeiro-ministro faça um pedido de desculpas público às famílias das vítimas dos incêndios. A Presidente da Associação pede ainda a demissão do comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Após a reunião desta quarta-feira com António Costa, Nádia Piazza anunciou que o Governo assume as mortes de junho passado e chegou a acordo com os familiares das vítimas.

  • Há um novo livro de Astérix

    Astérix

    Dois anos depois do último álbum, chega hoje às livrarias a 37ª aventura de Astérix. Em "Astérix e a Transitálica", os gauleses rumam à Península Itálica.