sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Tsipras diz que a Grécia é um "oásis de estabilidade" numa região instável

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, afirmou este domingo que a imagem da Grécia no exterior mudou e que o país passou a ser "um oásis de estabilidade no meio de uma região instável".

© Alexandros Avramidis / Reuter

Tsipras fez estas declarações numa conferência de imprensa em Salónica.

O primeiro-ministro rejeitou o pedido do líder da oposição, Kyriakos Mitsotakis, para a convocação de eleições antecipadas e afirmou que "o país não precisa de eleições, precisa de estabilidade".

Mitsotakis e outros líderes políticos têm reclamado a demissão de Tsipras, numa altura em que as sondagens apontam para uma vantagem do partido conservador Nova Democracia, em relação ao Syriza, liderado pelo atual primeiro-ministro.

Reiterando o que já tinha afirmado na véspera num discurso para agentes económicos, Tsipras mostrou-se convencido de que a segunda avaliação ao atual programa de resgate, que vai começar em outubro, será concluída com êxito.

Em relação ao objetivo de conseguir um alívio da dívida, afirmou que foi uma promessa que deve ser cumprida, mas considerou que as divergências entre as instituições europeias e o Fundo Monetário Internacional (FMI) nesta matéria estão "a atrasar o esforço de recuperar a confiança dos mercados".

O primeiro-ministro grego manteve também a exigência de redução dos objetivos para um excedente orçamental primário a partir de 2019.

O programa de resgate prevê que, a partir de 2018, o excedente primário se situe em 3,5% do Produto Interno Bruto (PIB), enquanto a Grécia pretende que seja reduzido gradualmente para 2%.

Tsipras recordou que na reunião do Eurogrupo de maio se decidiu que a Grécia não deve destinar mais de 15% do seu PIB para o serviço de dívida.

"Os nossos cálculos mostram que isso pode ser alcançado se for reduzido o objetivo para o excedente primário", salientou.

Nesse contexto, há que deixar de lado a discussão sobre "como vamos cortar nos gastos e iniciar o debate sobre como aumentamos as receitas", apontou.

O primeiro-ministro grego disse ainda que o país já deveria ter sido incluído no programa de compra de dívida do Banco Central Europeu (BCE), lançado há mais de um ano com o objetivo de estimular a economia dos países da zona euro.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.