sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Tsipras diz que a Grécia é um "oásis de estabilidade" numa região instável

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, afirmou este domingo que a imagem da Grécia no exterior mudou e que o país passou a ser "um oásis de estabilidade no meio de uma região instável".

© Alexandros Avramidis / Reuter

Tsipras fez estas declarações numa conferência de imprensa em Salónica.

O primeiro-ministro rejeitou o pedido do líder da oposição, Kyriakos Mitsotakis, para a convocação de eleições antecipadas e afirmou que "o país não precisa de eleições, precisa de estabilidade".

Mitsotakis e outros líderes políticos têm reclamado a demissão de Tsipras, numa altura em que as sondagens apontam para uma vantagem do partido conservador Nova Democracia, em relação ao Syriza, liderado pelo atual primeiro-ministro.

Reiterando o que já tinha afirmado na véspera num discurso para agentes económicos, Tsipras mostrou-se convencido de que a segunda avaliação ao atual programa de resgate, que vai começar em outubro, será concluída com êxito.

Em relação ao objetivo de conseguir um alívio da dívida, afirmou que foi uma promessa que deve ser cumprida, mas considerou que as divergências entre as instituições europeias e o Fundo Monetário Internacional (FMI) nesta matéria estão "a atrasar o esforço de recuperar a confiança dos mercados".

O primeiro-ministro grego manteve também a exigência de redução dos objetivos para um excedente orçamental primário a partir de 2019.

O programa de resgate prevê que, a partir de 2018, o excedente primário se situe em 3,5% do Produto Interno Bruto (PIB), enquanto a Grécia pretende que seja reduzido gradualmente para 2%.

Tsipras recordou que na reunião do Eurogrupo de maio se decidiu que a Grécia não deve destinar mais de 15% do seu PIB para o serviço de dívida.

"Os nossos cálculos mostram que isso pode ser alcançado se for reduzido o objetivo para o excedente primário", salientou.

Nesse contexto, há que deixar de lado a discussão sobre "como vamos cortar nos gastos e iniciar o debate sobre como aumentamos as receitas", apontou.

O primeiro-ministro grego disse ainda que o país já deveria ter sido incluído no programa de compra de dívida do Banco Central Europeu (BCE), lançado há mais de um ano com o objetivo de estimular a economia dos países da zona euro.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.