sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

FMI pede um alívio adicional da dívida grega à UE

O Fundo Monetário Internacional (FMI) voltou esta sexta-feira a pressionar os parceiros europeus da Grécia para concederem "um alívio adicional da dívida" pública do país e reverem em baixa os objetivos de excedente orçamental, num relatório de avaliação anual.

"Mesmo no caso de aplicar integralmente" as medidas de austeridade e as reformas indicadas ao país, "a Grécia precisa de um alívio da sua dívida e de objetivos orçamentais e de crescimento credíveis", conclui o relatório, considerando "irrealista" o objetivo de excedente orçamental primário (sem os encargos com a dívida) de 3,5% do Produto Interno Bruto (PIB) fixados pela zona euro a partir de 2018.

O alívio - quando a dívida pública grega atinge cerca de 180% do PIB apesar dos três programas sucessivos de assistência financeira ao país pela União Europeia e FMI desde 2010 - deve ser concedido pelos "parceiros europeus", insistiu a enviada à Grécia do FMI, Delia Velculescu, numa conferência de imprensa telefónica.

Velculescu congratulou-se por os parceiros europeus da Grécia terem concordado com esse princípio em maio, mas defendeu que as negociações devem continuar e que as medidas para um alívio devem ser especificadas.

Para que o FMI participe financeiramente no programa de assistência concedido ao país pela zona euro em julho de 2014, é preciso que as medidas impostas a Atenas sejam cumpridas e que haja "um alívio significativo da dívida", repetiu.

Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.