sicnot

Perfil

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Crise na Grécia

Tsipras diz que Grécia aplica políticas de esquerda apesar do resgate

© Yiannis Kourtoglou / Reuters

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, afirmou esta quinta-feira que o seu Governo teve capacidade para impor uma marca de esquerda e aplicar políticas sociais apesar das adversidades do programa de resgate imposto pelos credores internacionais.

No seu discurso de abertura do II Congresso do Syriza, Tsipras defendeu ter assinado o resgate como a única opção viável para evitar a saída do euro e salvar um país que tinha perdido um quarto do seu poder económico e se confrontava com uma taxa de desemprego de 27%.

"A saída da Grécia do euro não era e não é um plano progressivo", sublinhou numa alusão às correntes mais à esquerda que defendem esse caminho e que entretanto abandonaram a formação.

"Desencadeámos um programa para a gestão da crise humanitária... um programa para combater o desemprego com o destaque no respeito pelos direitos laborais... o acesso aos hospitais aos que não têm seguro de saúde, e defendemos o caráter público da segurança social", assinalou, mas sem aludir às medidas de austeridade que o seu executivo também aplicou.

O Congresso do Syriza decorre sob o lema "Com a esquerda até à Grécia que merecemos: Justiça social -- Democracia -- Crescimento equitativo".

Até domingo, cerca de 3.000 mil delegados reunidos no estádio Tae Kwon Do de Atenas -- que integrou o complexo olímpico nos Jogos de 2004 -- vão debater a redefinição de um partido que apenas há três anos era uma formação minoritária mas que em janeiro de 2015 venceu as eleições legislativas com 32,6% dos votos. Hoje, indicam as sondagens, é de novo um partido em recuo.

Uma das questões em discussão será a relação com o Movimento Socialista Pan-Helénico (Pasok) e com a social-democracia europeia. No Parlamento europeu os deputados do Syriza integram o grupo da Esquerda Unida Europeia (GUE/NGL) mas Tsipras já foi convidado a participar em reuniões do grupo Socialistas e Democratas (S&D).

Outra questão central reside na definição do caminho a seguir por um partido proveniente da fusão de diversas organizações da esquerda radical mas que está a pagar o preço do poder sacrificando promessas eleitorais, erosão interna e desilusão do eleitorado.

Após três importantes vitórias eleitorais em 2015 (legislativas de janeiro e setembro e no referendo de julho sobre as medidas de austeridade impostas pelos credores internacionais), e a formação de um governo de coligação com os populistas conservadores dos Gregos Independentes, as recentes sondagens referem-se a um recuo para cerca de 20% das intenções de voto, e um regresso da Nova Democracia (ND, direita) como partido mais votado.

A contradição entre o programa do partido, assente numa política antiausteridade, e a sua prática governativa, muito dependente das exigências dos credores após a aplicação do terceiro resgate em meados de julho -- e que tem implicado sucessivas e contestadas vagas de privatizações --motivaram cisões internas e debates acalorados, mas a reeleição de Tsipras para a liderança do partido não parece em risco apesar de uma contínua erosão política.

Uma recente sondagem do instituto Public Issue e publicada pelo diário do Syriza "Avyí" indica que 90% dos inquiridos se afirmam insatisfeitos com trabalho do Governo, mas 80% também mantém a mesma opinião em relação à oposição.

Ao tentar contrariar esta tendência, e ainda no seu discurso de abertura de hoje, Tsipras referiu que o Governo tem um plano com objetivos concretos de crescimento económico e de medidas sociais para conseguir reduzir o desemprego a 10% até 2021.

O chefe do Governo grego disse ainda que a maior arma de Atenas nas negociações com os credores internacionais é o respeito pelo acervo comunitário, numa alusão ao conflito entre o FMI e os credores europeus da Grécia sobre a liberalização dos despedimentos e as restrições do direito à greve.

Tsipras sublinhou ainda a importância de formar uma "frente comum" no sul da Europa que contrarie as disparidades regionais e garante uma convergência económica entre todos os países, para forjar uma "alternativa progressista" no continente.

Lusa

  • Marcar cedo e resistir (ou como Portugal venceu Marrocos)

    Mundial 2018 / Portugal

    A seleção nacional alcançou hoje a primeira vitória no Mundial 2018, frente a Marrocos, em Moscovo. Cristiano Ronaldo (outra vez) marcou logo aos quatro minutos. Depois, Portugal pouco mais fez senão aguentar as investidas dos marroquinos, que ficam desde já afastados dos oitavos de final.

  • Fernando Santos dá um puxão de orelhas à equipa
    1:57
  • E vão quatro de Ronaldo
    1:58
  • Ronaldo, o motivador
    3:23
  • Os "memes" do desempenho de Cristiano Ronaldo frente a Marrocos
    1:25
  • Cristiano Ronaldo: o melhor do jogo, o melhor do Mundial, o melhor do mundo

    Mundial 2018 / Portugal

    Apesar da prestação de Rui Patrício na defesa da baliza lusa, Cristiano Ronaldo foi eleito o homem do jogo, pela segunda vez consecutiva, depois de marcar o golo que deu a vitória a Portugal frente a Marrocos. O capitão português ofereceu à equipa os três pontos essenciais para a eventual passagem aos oitavos de final. Mas Ronaldo não fica por aqui. Contas feitas, CR7 é o melhor marcador do Mundial (4 golos em 2 jogos) e já marcou 85 golos por Portugal, feito nunca antes alcançado nem por Eusébio nem por Pauleta. No auge dos 33 anos, há quem diga que Ronaldo "é como o vinho do Porto". Será que ainda vai chegar à marca dos 100? Parece que, para o CR7, nada é impossível.

  • Parecia que Rui Patrício tinha cola nas luvas
    5:40
  • Os momentos descontraídos dos jogadores que estão no Mundial
    1:54
  • Selecionador de Marrocos queixa-se da arbitragem
    1:41
  • Georgina Rodriguez assistiu ao jogo de Portugal e acenou a Ronaldo
    1:05
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O humor russo
    1:32
  • Schulz responde a Trump: "é um especialista em estatísticas criminais"

    Mundo

    "Donald Trump é um especialista em estatísticas criminais: pagamentos a estrelas porno, contactos ilegais com russos e diretores de campanha presos". Foi assim que o deputado alemão Martin Schulz respondeu ao Presidente norte-americano, depois de este ter afirmado várias vezes que a criminalidade na Alemanha aumentou devido à imigração.

    SIC

  • "Vou pedir a alguém que dê esta notícia por mim". Jornalista emociona-se com o caso dos bebés mexicanos separados das famílias
    0:49