sicnot

Perfil

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Amnistia Internacional diz que Guterres enfrenta "inúmeros e enormes desafios"

O diretor executivo da Amnistia Internacional em Portugal desejou esta quarta-feira "o maior sucesso" ao ex-primeiro-ministro António Guterres, indicado como favorito para secretário-geral da ONU, e alertou que o esperam "inúmeros e enormes desafios".

Numa declaração à Lusa por telefone, Pedro Neto afirmou que a Amnistia Internacional não toma posição por um candidato, mas, "sendo confirmada a eleição do engenheiro António Guterres", dá-lhe os parabéns.

Já a Amnistia Internacional em Portugal, pela "afinidade de nacionalidade, deseja-lhe o maior sucesso e que ele faça um excelente trabalho, pelos direitos humanos".

No entanto, o diretor executivo da organização de defesa dos direitos humanos alertou que "o próximo secretário-geral das Nações Unidas terá inúmeros e enormes desafios pela frente".

"Em primeiro lugar, e no caso do engenheiro António Guterres, é preciso um novo acordo para os refugiados e migrantes. Ele é uma pessoa que tem muita experiência neste assunto. É dramática a situação de 21 milhões de refugiados", disse Pedro Neto, considerando a questão dos refugiados como "um dos assuntos prioritários" neste momento.

O dirigente defendeu também que o próximo secretário-geral da ONU terá de "pôr termo a crimes de larga escala que vão existindo no mundo", utilizando para isso ferramentas como a carta das Nações Unidas e toda a legislação internacional humanitária.

Dar mais peso à sociedade civil para que os direitos humanos se tornem mais relevantes, defender as pessoas marginalizadas e combater a pobreza extrema, promover a igualdade de género, combater a impunidade daqueles que cometem crimes contra a humanidade e pôr fim à pena de morte são outros desafios, afirmou Pedro Neto.

O diretor executivo da AI em Portugal argumentou ainda que o próximo secretário-geral da ONU deverá "fortalecer as Nações Unidas enquanto organização, para que ela seja muito mais relevante quanto ao impacto do seu trabalho e da sua ação nos direitos humanos".

Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Pj ainda não fez detenções relacionadas com atropelamento de adepto italiano
    1:52

    Desporto

    As autoridades policiais confirmaram à SIC que o atropelamento que fez este sábado uma vítima mortal, junto ao Estádio da Luz, não terá sido acidental. A Policia Judiciária já saberá quem foi o autor do atropelamento. O homem faria parte do grupo de adeptos do Benfica, que se envolveram em confrontos com adeptos do Sporting.