sicnot

Perfil

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Amnistia Internacional diz que Guterres enfrenta "inúmeros e enormes desafios"

O diretor executivo da Amnistia Internacional em Portugal desejou esta quarta-feira "o maior sucesso" ao ex-primeiro-ministro António Guterres, indicado como favorito para secretário-geral da ONU, e alertou que o esperam "inúmeros e enormes desafios".

Numa declaração à Lusa por telefone, Pedro Neto afirmou que a Amnistia Internacional não toma posição por um candidato, mas, "sendo confirmada a eleição do engenheiro António Guterres", dá-lhe os parabéns.

Já a Amnistia Internacional em Portugal, pela "afinidade de nacionalidade, deseja-lhe o maior sucesso e que ele faça um excelente trabalho, pelos direitos humanos".

No entanto, o diretor executivo da organização de defesa dos direitos humanos alertou que "o próximo secretário-geral das Nações Unidas terá inúmeros e enormes desafios pela frente".

"Em primeiro lugar, e no caso do engenheiro António Guterres, é preciso um novo acordo para os refugiados e migrantes. Ele é uma pessoa que tem muita experiência neste assunto. É dramática a situação de 21 milhões de refugiados", disse Pedro Neto, considerando a questão dos refugiados como "um dos assuntos prioritários" neste momento.

O dirigente defendeu também que o próximo secretário-geral da ONU terá de "pôr termo a crimes de larga escala que vão existindo no mundo", utilizando para isso ferramentas como a carta das Nações Unidas e toda a legislação internacional humanitária.

Dar mais peso à sociedade civil para que os direitos humanos se tornem mais relevantes, defender as pessoas marginalizadas e combater a pobreza extrema, promover a igualdade de género, combater a impunidade daqueles que cometem crimes contra a humanidade e pôr fim à pena de morte são outros desafios, afirmou Pedro Neto.

O diretor executivo da AI em Portugal argumentou ainda que o próximo secretário-geral da ONU deverá "fortalecer as Nações Unidas enquanto organização, para que ela seja muito mais relevante quanto ao impacto do seu trabalho e da sua ação nos direitos humanos".

Lusa

  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis, conclui avaliação do FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela troika em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),

  • "A maioria das pessoas que criticou André Ventura nunca viveu esses problemas"
    3:43

    Opinião

    A polémica em torno das declarações do candidato do PSD à Câmara de Loures, André Ventura, sobre o modo de vida da etnia cigana no concelho, esteve em análise no Jornal da Noite desta segunda-feira. Miguel Sousa Tavares defende que "os problemas existem mas não podem ser generalizados". O comentador SIC considera, ainda assim, que André Ventura tem razão quando diz que "a maioria das pessoas que o criticou nunca viveu esses problemas".

    Miguel Sousa Tavares