sicnot

Perfil

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Guterres na ONU

15:00. A hora de Guterres

© Denis Balibouse / Reuters

É confirmada hoje a escolha de António Guterres para o cargo de secretário-geral das Nações Unidas. O Conselho de Segurança reúne-se mais logo para realizar a votação formal. Depois, caberá à Assembleia Geral tomar a decisão final.

O Conselho de Segurança foi assertivo, após a sexta votação para o cargo de secretário-geral das Nações Unidas realizada quarta-feira: António Guterres é o "claro favorito", com 13 votos a favor e duas abstenções.

Em conferência de imprensa, Vitali Churkin, embaixador da Rússia, país que preside atualmente ao Conselho de Segurança, anunciou que o órgão vai voltar a reunir-se hoje, às 10:00 de Nova Iorque (15:00 em Lisboa) para realizar a votação formal.

"Espero que [Guterres] seja indicado por aclamação", disse o embaixador russo, acrescentando, em nome dos 15 membros do Conselho de Segurança: "Desejamos ao senhor Guterres que tudo corra bem no desempenho das funções como secretário-geral das Nações Unidas, nos próximos cinco anos."

Após a votação formal de hoje, o Conselho de Segurança fará a recomendação (a prática tem sido a de indicar apenas um nome) à Assembleia Geral, órgão ao qual compete ratificar a escolha (ou não, embora isso nunca tenha acontecido).

O secretário-geral que está de saída, o sul-coreano Ban Ki-moon, foi o único indicado pelo Conselho de Segurança em 2006 e em 2011, sendo escolhido, em ambas as ocasiões, por aclamação dos 193 Estados-membros na Assembleia Geral.

No caso de Ban Ki-moon, a sessão de votação da Assembleia Geral decorreu quatro a cinco dias depois da indicação forma do nome do candidato pelo Conselho de Segurança.

Caso o seu nome seja confirmado, o português António Guterres será o primeiro ex-chefe de governo a assumir o cargo de secretário-geral da ONU e entrará em funções a 1 de janeiro de 2017.

Com Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41