sicnot

Perfil

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Guterres na ONU

ACNUR diz que Guterres pode impulsionar a paz "de forma inédita"

O alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados, Filippo Grandi, considerou esta quinta-feira que o futuro secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, tem a capacidade necessária para "impulsionar a paz mundial de forma inédita".

"Sabemos que ele conduzirá as Nações Unidas com a visão, habilidade política e com o profundo sentido de humanidade necessários para impulsionar a paz mundial de forma inédita", disse o sucessor de Guterres à frente do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), citado num comunicado da organização.

Durante os dez anos que esteve à frente do ACNUR, António Guterres "administrou algumas das maiores crises de refugiados dos últimos tempos", frisou Grandi, congratulando-se com a escolha do antigo primeiro-ministro português para o mais alto cargo na ONU.

O Conselho de Segurança da ONU escolheu hoje por unanimidade e aclamação António Guterres como secretário-geral da organização.

No comunicado, lê-se que, confrontado com o aumento do número de pessoas deslocadas por conflitos e perseguições, António Guterres conduziu com destreza as respostas do ACNUR, introduzindo importantes reformas para as tornar mais eficazes.

"António Guterres era, acima de tudo, um incansável defensor dos refugiados, dos deslocados internos e dos apátridas, defendendo seus direitos tanto no campo quanto nos mais altos níveis políticos, destacou Filippo Grandi.

O italiano acrescentou que António Guterres "enfatizou a importância de encontrar soluções inovadoras para ajudá-los a viver com segurança e a ter uma vida mais digna, assim como também exerceu pressões pelo fim dos conflitos que fizeram com que tantas pessoas deixassem as suas casas".

"Nós do ACNUR estamos particularmente felizes que o cargo mais alto pela defesa da paz seja ocupado por alguém que conhece tão de perto as terríveis consequências da guerra para os seres humanos", rematou Filippo Grandi.

Lusa

  • A estreia de Centeno como líder do Eurogrupo
    1:56
  • Puigdemont chegou à Dinamarca e não foi detido

    Mundo

    A Justiça espanhola pediu à Dinamarca para ativar a ordem de detenção europeia contra Carles Puigdemont, que ignorou as ameaças de detenção e decidiu deslocar-se a Copenhaga para participar numa conferência. Entretanto na Catalunha, o presidente do parlamento propôs Puigdemont para voltar a dirigir o Governo Regional.

  • Eleição de Rio "embaraça" PCP e BE
    0:34

    Opinião

    Luís Marques Mendes considera que a eleição de Rui Rio veio criar embaraço ao PCP e Bloco de Esquerda. O comentador da SIC considera que a promessa de que venha a haver pactos de regime entre PS e PSD é motivo de preocupação para os parceiros do Governo.

    Luís Marques Mendes

  • O caso Assange é "um problema" para o Equador

    Mundo

    O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, declarou no domingo que o asilo atribuído ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pela embaixada do Equador em Londres desde 2012 é "um problema herdado" que constitui "mais que um aborrecimento".