sicnot

Perfil

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Guterres na ONU

ACNUR diz que Guterres pode impulsionar a paz "de forma inédita"

O alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados, Filippo Grandi, considerou esta quinta-feira que o futuro secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, tem a capacidade necessária para "impulsionar a paz mundial de forma inédita".

"Sabemos que ele conduzirá as Nações Unidas com a visão, habilidade política e com o profundo sentido de humanidade necessários para impulsionar a paz mundial de forma inédita", disse o sucessor de Guterres à frente do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), citado num comunicado da organização.

Durante os dez anos que esteve à frente do ACNUR, António Guterres "administrou algumas das maiores crises de refugiados dos últimos tempos", frisou Grandi, congratulando-se com a escolha do antigo primeiro-ministro português para o mais alto cargo na ONU.

O Conselho de Segurança da ONU escolheu hoje por unanimidade e aclamação António Guterres como secretário-geral da organização.

No comunicado, lê-se que, confrontado com o aumento do número de pessoas deslocadas por conflitos e perseguições, António Guterres conduziu com destreza as respostas do ACNUR, introduzindo importantes reformas para as tornar mais eficazes.

"António Guterres era, acima de tudo, um incansável defensor dos refugiados, dos deslocados internos e dos apátridas, defendendo seus direitos tanto no campo quanto nos mais altos níveis políticos, destacou Filippo Grandi.

O italiano acrescentou que António Guterres "enfatizou a importância de encontrar soluções inovadoras para ajudá-los a viver com segurança e a ter uma vida mais digna, assim como também exerceu pressões pelo fim dos conflitos que fizeram com que tantas pessoas deixassem as suas casas".

"Nós do ACNUR estamos particularmente felizes que o cargo mais alto pela defesa da paz seja ocupado por alguém que conhece tão de perto as terríveis consequências da guerra para os seres humanos", rematou Filippo Grandi.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC