sicnot

Perfil

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Guterres "é como se fosse brasileiro", diz chefe da diplomacia do Brasil

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, José Serra, afirmou quinta-feira que a nomeação de António Guterres para futuro secretário-geral das Nações Unidas o deixou muito feliz, afirmando que "é como se fosse um brasileiro".

"Ficamos muito felizes. Ele entra preparadíssimo. Que eu tenha memória, sem diminuir outros, talvez seja quem mais entre preparado, como se tivesse trabalhado muito tempo para vir a ser secretário", disse o chefe da diplomacia do Brasil, em declarações aos jornalistas em Brasília.

José Serra destacou a longa experiência política de António Guterres e a sua habilidade diplomática como antigo Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), sublinhando que o antigo primeiro-ministro português tem uma proximidade "muito grande" com o Brasil.

"Eu escrevi-lhe uma carta pessoal até, afora declarações públicas, congratulando-o. Achei uma solução extraordinária. Para o mundo de hoje, é a pessoa adequada para comandar a ONU. Ele conhece questões do mundo e da organização e sabe como lidar com grandes potências. É uma pessoa que terá um papel importante no mundo na próxima década", frisou.

Questionado pelos jornalistas sobre os ganhos que o Brasil pode tirar desta nomeação, como as negociações para ter um assento no Conselho de Segurança da ONU, José Serra sugeriu que a escolha de António Guterres pode trazer benefícios.

"Vamos ter um quase brasileiro lá. A proximidade de diálogo aumentará naturalmente", referiu.

O ministro das Relações Exteriores mencionou ainda que António Guterres "foi escolhido dentro do processo mais inclusivo e democrático que já houve", e que "é um homem de personalidade forte".

Para José Serra, o problema dos refugiados na Europa será um dos temas mais importantes durante o mandato de António Guterres.

O ministro falava após uma reunião no Palácio do Planalto, com o Presidente da República, Michel Temer, e o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos, Luis Almagro.

Em comunicado divulgado na quarta-feira, José Serra destacou que António Guterres tem "qualificações profissionais e estatura política incontestáveis para liderar as Nações Unidas no enfrentamento dos múltiplos desafios globais, na condução da necessária reforma da Organização, inclusive do seu Conselho de Segurança".

Na nota, o ministro congratulou também o povo e o governo de Portugal e manifestou a disposição do Brasil para "cooperar plenamente com os trabalhos do próximo secretário-geral das Nações Unidas".

O Conselho de Segurança da ONU escolheu quinta-feira por unanimidade e aclamação António Guterres como secretário-geral da organização.

Lusa

  • A vida política de António Guterres
    3:09

    Guterres na ONU

    Na primeira audição para o cargo, António Guterres lembrou o passado como primeiro-ministro para defender que está preparado para resistir a pressões e que não lhe falta capacidade de diálogo. Guterres liderou dois governos minoritários com um segundo mandato mais conturbado, que acabou com a sua demissão. Durante mais de seis meses como chefe de Governo, a diplomacia foi sempre um triunfo, com Guterres a destacar-se nos palcos internacionais.

  • Os desafios de António Guterres
    2:31

    Guterres na ONU

    A maior crise migratória do pós-guerra e o conflito na Síria são, muito provavelmente, os maiores desafios do mandato de António Guterres à frente das Nações Unidas. O isolamento internacional da Coreia do Norte e do seu programa nuclear também estarão na agenda do próximo secretário Geral da ONU que herda um planeta que poderá estar a caminho da auto-destruição.

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • CDS avança com moção de censura ao Governo

    País

    A líder do CDS anunciou hoje que o partido vai apresentar uma moção de censura ao Governo, na sequência dos incêndios que fizeram 37 mortos desde domingo, quatro meses depois da tragédia de Pedrógão Grande.

    Em atualização

  • O mapa das vítimas dos incêndios
    1:19

    País

    Aumentou para 37 o número de mortes na sequência dos fogos que assolaram a zona Centro do país desde o fim de semana. Feridos são pelo menos 71. Atualizamos aqui o mapa, segundo o último balanço da Proteção Civil.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06