sicnot

Perfil

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Guterres "é como se fosse brasileiro", diz chefe da diplomacia do Brasil

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, José Serra, afirmou quinta-feira que a nomeação de António Guterres para futuro secretário-geral das Nações Unidas o deixou muito feliz, afirmando que "é como se fosse um brasileiro".

"Ficamos muito felizes. Ele entra preparadíssimo. Que eu tenha memória, sem diminuir outros, talvez seja quem mais entre preparado, como se tivesse trabalhado muito tempo para vir a ser secretário", disse o chefe da diplomacia do Brasil, em declarações aos jornalistas em Brasília.

José Serra destacou a longa experiência política de António Guterres e a sua habilidade diplomática como antigo Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), sublinhando que o antigo primeiro-ministro português tem uma proximidade "muito grande" com o Brasil.

"Eu escrevi-lhe uma carta pessoal até, afora declarações públicas, congratulando-o. Achei uma solução extraordinária. Para o mundo de hoje, é a pessoa adequada para comandar a ONU. Ele conhece questões do mundo e da organização e sabe como lidar com grandes potências. É uma pessoa que terá um papel importante no mundo na próxima década", frisou.

Questionado pelos jornalistas sobre os ganhos que o Brasil pode tirar desta nomeação, como as negociações para ter um assento no Conselho de Segurança da ONU, José Serra sugeriu que a escolha de António Guterres pode trazer benefícios.

"Vamos ter um quase brasileiro lá. A proximidade de diálogo aumentará naturalmente", referiu.

O ministro das Relações Exteriores mencionou ainda que António Guterres "foi escolhido dentro do processo mais inclusivo e democrático que já houve", e que "é um homem de personalidade forte".

Para José Serra, o problema dos refugiados na Europa será um dos temas mais importantes durante o mandato de António Guterres.

O ministro falava após uma reunião no Palácio do Planalto, com o Presidente da República, Michel Temer, e o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos, Luis Almagro.

Em comunicado divulgado na quarta-feira, José Serra destacou que António Guterres tem "qualificações profissionais e estatura política incontestáveis para liderar as Nações Unidas no enfrentamento dos múltiplos desafios globais, na condução da necessária reforma da Organização, inclusive do seu Conselho de Segurança".

Na nota, o ministro congratulou também o povo e o governo de Portugal e manifestou a disposição do Brasil para "cooperar plenamente com os trabalhos do próximo secretário-geral das Nações Unidas".

O Conselho de Segurança da ONU escolheu quinta-feira por unanimidade e aclamação António Guterres como secretário-geral da organização.

Lusa

  • A vida política de António Guterres
    3:09

    Guterres na ONU

    Na primeira audição para o cargo, António Guterres lembrou o passado como primeiro-ministro para defender que está preparado para resistir a pressões e que não lhe falta capacidade de diálogo. Guterres liderou dois governos minoritários com um segundo mandato mais conturbado, que acabou com a sua demissão. Durante mais de seis meses como chefe de Governo, a diplomacia foi sempre um triunfo, com Guterres a destacar-se nos palcos internacionais.

  • Os desafios de António Guterres
    2:31

    Guterres na ONU

    A maior crise migratória do pós-guerra e o conflito na Síria são, muito provavelmente, os maiores desafios do mandato de António Guterres à frente das Nações Unidas. O isolamento internacional da Coreia do Norte e do seu programa nuclear também estarão na agenda do próximo secretário Geral da ONU que herda um planeta que poderá estar a caminho da auto-destruição.

  • Ministra emocionou-se no Parlamento
    2:26

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A ministra da Administração Interna disse esta quarta-feira no Parlamento que está, desde a primeira hora, a recolher, analisar e cruzar todos os dados do incêndio de Pedrógão Grande. Constança Urbano de Sousa emocionou-se diante dos deputados e admitiu que tem ainda muitas dúvidas sobre o que aconteceu. Foi pedido um estudo independente ao funcionamento do sistema de comunicações de emergência e uma auditoria à Secretaria-Geral da Administração Interna, a entidade gestora do SIRESP. A ministra explicou porquê.

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contido" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.