sicnot

Perfil

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Primeiro-ministro chinês felicita Portugal pela eleição de Guterres

O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, felicitou hoje Portugal e o povo português pela eleição de António Guterres para o cargo de secretário-geral das Nações Unidas, referindo que a China "facilitou" aquele mesmo desfecho.

"O Governo chinês facilitou a nomeação do engenheiro Guterres para o cargo de secretário-geral da ONU, um orgulho para todo o povo português", afirmou Li, na conferência de imprensa conjunta com o primeiro-ministro António Costa, no Grande Palácio do Povo, em Pequim.

O responsável chinês enalteceu o "progresso estável" nas relações entre os dois países, desde o estabelecimento das relações diplomáticas, em 1979, com destaque para a forma como Lisboa lidou com questão de Macau.

Portugal e China "realizaram uma transição estável da soberania de Macau, via negociações amigáveis", disse.

Li afirmou que os dois países "têm mantido uma estreita colaboração em assuntos regionais e internacionais", saudando o reforço da "confiança política mútua".

Após anunciar a assinatura de oito acordos nos domínios da cultura e da economia, o primeiro-ministro chinês apontou o setor das energias - "especialmente a energia renovável" - e de componentes para automóveis como áreas "preferenciais" para a colaboração.

"Portugal deve aproveitar a procura do mercado chinês na área de componentes para automóveis", disse.

A China é o maior mercado de automóveis do mundo e, em 2015, venderam-se 24,59 milhões de unidades no país, um valor recorde.

António Costa foi hoje recebido pelo seu homólogo chinês com guarda de honra, salvas de canhão e o hino dos dois países tocado por uma banda militar.

A cerimónia decorreu junto à porta leste do Grande Palácio do Povo, de frente para a Praça Tiananmen. Na avenida que passa no topo norte da praça, os candeeiros estavam ornamentadas com as bandeiras dos dois países.

O primeiro-ministro português iniciou no sábado uma visita oficial à China que, além de Pequim, o levará também a Xangai, Macau e Shenzhen.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.