sicnot

Perfil

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Guterres na ONU

"Ainda não pensei a sério em tudo o que vai mudar na minha vida"

Seth Wenig

​O futuro secretário-geral designado da ONU, António Guterres, disse esta quinta-feira, nas primeiras declarações à imprensa portuguesa desde que foi eleito, que ainda não teve tempo de pensar no que vai mudar na sua vida.

"Não, ainda não tive tempo. Ainda não pensei a sério em tudo o que vai mudar na minha vida. Tenho de agradecer imenso à minha família, sobretudo à minha mulher, aos meus filhos e à minha mãe, pela grande compreensão que tiveram em balançar esta campanha, porque isso vai causar enormes problemas a todos eles e todos foram de uma extraordinária solidariedade", declarou o antigo primeiro-ministro português.

O antigo Alto-comissário para os refugiados afirmou que a rapidez com que o processo foi concluído o surpreendeu.

"Houve uma aceleração no fim que deixou toda a gente surpreendida e eu próprio me senti surpreendido. Fui sentindo que o carácter aberto deste processo, o facto de ter havido provas publicas, debates, me tinha favorecido, mas obviamente era muito difícil saber o que se ia passar dentro das paredes fechadas do Conselho de Segurança. Eu próprio fui surpreendido pela rapidez da decisão", confessou.

Lusa

  • A emotiva aclamação de António Guterres
    3:02

    Guterres na ONU

    A assembleia-geral da ONU confirmou esta quinta-feira a escolha feita pelo Conselho de Segurança, há uma semana. António Guterres foi aclamado como novo secretário-geral das Nações Unidas. No discurso, Guterres voltou a apresentar-se com "gratidão e humildade" e prometeu manter um "grande sentido de responsabilidade."

  • Presidente e Governo franceses saúdam nomeação de Guterres

    Mundo

    O Presidente francês, François Hollande, felicitou hoje António Guterres pela nomeação como secretário-geral das Nações Unidas, considerando que estará "plenamente à altura" dos desafios que o mundo enfrenta, como o terrorismo, alterações climáticas e tragédias humanitárias.

  • Donald Tusk quer trabalhar com proximidade a Guterres

    Mundo

    O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, disse esta quinta-feira ter recebido "com grande satisfação" a escolha de António Guterres para secretário-geral das Nações Unidas, com quem afirma querer trabalhar sobre migrações, terrorismo, mudanças climáticas e paz.

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.