sicnot

Perfil

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Guterres na ONU

António Guterres: o conciliador com dificuldade nas decisões desagradáveis

O secretário-geral da ONU designado, António Guterres, é descrito por amigos e detratores como um "homem inteligente", um "workaholic" com "enorme capacidade conciliadora", mas também há quem lhe aponte "deslumbramento" e "incapacidade de tomar decisões desagradáveis".

Foi ainda na universidade - licenciou-se em Engenharia Eletrotécnica em 1971 - que António Guterres começou a formar uma das suas imagens de marca: o apoio social aos mais necessitados. Ainda estudante, Guterres liderou o Centro de Ação Social Universitária (CASU) para dar apoio a bairros pobres da cidade de Lisboa.

"Ele dava aulas no Bairro da Curraleira (entretanto demolido e conhecido hoje por Quinta do Lavrado). Fazia ação social permanente nesses bairros pobres. Ele e outros estudantes também ajudaram nas grandes inundações de Lisboa de 1967", recorda à Lusa o padre Vítor Melícias, o franciscano que casou António Guterres, em 1972.

Guterres, 67 anos, católico devoto, conheceu o padre Melícias no "Grupo da Luz", um espaço de discussão religiosa e social que integrava, entre outros, Helena Roseta, Marcelo Rebelo de Sousa ou Diogo de Lucena.

"Reuníamo-nos nas salas do Convento dos Franciscanos no Largo da Luz, uma vez por semana e por vezes até mais", lembra o padre franciscano, realçando que o grupo fazia "análise dos textos mais relacionados com a Ação Social saídos do Concílio Vaticano II".

"Os textos do Concílio Vaticano II foram dos que mais influenciaram o António Guterres. Não só a ele como a outros do grupo, como o Marcelo (Rebelo de Sousa)", realça Vítor Melícias.

O padre franciscano recorda Guterres como "um workaholic" (viciado no trabalho), um "trabalhador com uma capacidade impressionante" e que se destacava "não só pela enorme capacidade para 'ler' os problemas das pessoas, como para os resolver".

ARMANDO FRANCA

O socialista Jorge Coelho foi o braço-direito de António Guterres quando este decidiu avançar para secretário-geral do PS (cargo que desempenhou de 1992 a 2002). Ministro nos dois governos de Guterres, Jorge Coelho destaca a sua capacidade de "fazer pontes" e de "encontrar soluções para as pessoas".

Um conjunto de características que, agora, serão "fundamentais" nas suas novas funções como Secretário-Geral da ONU.

Enquanto primeiro-ministro, de 1995 a 2002 (demitiu-se em dezembro de 2001, após as eleições autárquicas), António Guterres teve de lidar com entidades patronais e federações de sindicatos e deixou impressões contraditórias.

© Enrique Shore / Reuters

Pedro Ferraz da Costa, que nesses anos presidia à Confederação da Indústria Portuguesa (CIP), elogia-lhe a "inteligência e rapidez de raciocínio", nomeadamente a capacidade de "perceber os interesses diversos das forças em presença".

"Apercebi-me disso quando a presidência rotativa da União Europeia coube a Portugal e ele teve de renegociar a distribuição de fundos aos diferentes países. Tive a sensação - em conversas com ele - de que houve reuniões em que o Guterres percebia quase melhor os problemas de determinado país do que o PM com quem estava a falar. Ele percebia bem quais os problemas em causa e quais eram os pontos em que poderiam chegar a acordo", recorda o empresário à Lusa.

No entanto, Pedro Ferraz da Costa aponta "um grande problema" a António Guterres.

"Ele tem um problema muito grande: gosta tanto que toda a gente goste dele que isso o impossibilitava de tomar decisões. Um chefe de Governo, para gerir um país, tem de tomar decisões que agradam a uns e que não agradam a outros e às vezes que não agradam quase a ninguém mas que são importantes a médio e a longo prazo", afirma Ferraz da Costa.

António Guterres "sabia bem o que fazer", mas "faltava-lhe depois um pouco de determinação para o conseguir realizar" conclui o antigo presidente da CIP.

ARMANDO FRANCA

Jorge Coelho argumenta que Guterres tomava e toma as decisões necessárias, mas "com ponderação" e "pesando bem as alternativas".

"Tomar decisões sem prejudicar violentamente terceiros é uma forma corajosa de ver o mundo", diz o amigo de longa data de Guterres, nascido em 30 de abril de 1949 em Lisboa e cuja infância se dividiu entre a capital e a terra natal da mãe, Donas, na Beira Baixa.

© Reuters Photographer / Reuter

Do lado dos sindicatos, o antigo secretário-geral da CGTP (entre 1986 e 2011) Manuel Carvalho da Silva recorda a capacidade de Guterres de "ouvir e aprender com os outros", mas recorda "um certo deslumbramento" do então primeiro-ministro com a forma como evoluía a situação económica do país.

"Foram os anos antes da Expo 1998 e o António Guterres estava focado na ideia de que a economia portuguesa vivia sem problemas", conta Carvalho da Silva, acrescentando que o primeiro-ministro lhe atendia o telefone quando pretendia transmitir as suas preocupações.

"Um dia numa visita a uma multinacional em Vila do Conde, um dos empresários estrangeiros chamou-me e deu-me conta que a sede queria produção mais barata pelo simples facto de a fábrica estar em Portugal. Liguei ao primeiro-ministro na altura", recorda o sindicalista, enaltecendo a "disponibilidade e o interesse" do chefe de Governo, algo que encontrou "menos" nos líderes de executivo que lhe seguiram.

© Reuters Photographer / Reuter

Em 2002, António Guterres abandonou a política ativa em Portugal, assumiu a posição de consultor do Conselho de Administração da Caixa Geral de Depósitos, até 2005, quando suspendeu a função, saindo em definitivo em 2010.

© Khaled Abdullah Ali Al Mahdi

Em 2005 foi escolhido para Alto-comissário da ONU para os Refugiados, cargo que manteve durante dez anos, e esta quinta-feira tornou-se oficialmente o 9.º secretário-geral da ONU e irá iniciar funções em 1 de janeiro de 2017 para um mandato de cinco anos.

Com Lusa

  • Guterres promete ser um mediador ao serviço de todos
    1:44

    Guterres na ONU

    No primeiro discurso na Assembleia-geral da ONU, após aclamação como 9.º secretário-geral das Nações Unidas, que iniciará funções em 1 de janeiro de 2017, António Guterres prometeu ser um mediador, trabalhar ao serviço de todos e proteger as mulheres e os mais fracos.

  • Guterres, o professor de matemática da Quinta do Mocho
    3:13

    Guterres na ONU

    Após a histórica eleição de António Guterres na ONU, a SIC continua a recordar o seu percurso. Já depois de ter sido primeiro-ministro, Guterres foi professor voluntário de matemática num bairro social de Lisboa. Os moradores e alunos da Quinta do Mocho recordam as qualidades humanas do novo secretário-geral da ONU.

  • A vida política de António Guterres
    3:09

    Guterres na ONU

    Na primeira audição para o cargo, António Guterres lembrou o passado como primeiro-ministro para defender que está preparado para resistir a pressões e que não lhe falta capacidade de diálogo. Guterres liderou dois governos minoritários com um segundo mandato mais conturbado, que acabou com a sua demissão. Durante mais de seis meses como chefe de Governo, a diplomacia foi sempre um triunfo, com Guterres a destacar-se nos palcos internacionais.

  • Os desafios de António Guterres
    2:31

    Guterres na ONU

    A maior crise migratória do pós-guerra e o conflito na Síria são, muito provavelmente, os maiores desafios do mandato de António Guterres à frente das Nações Unidas. O isolamento internacional da Coreia do Norte e do seu programa nuclear também estarão na agenda do próximo secretário Geral da ONU que herda um planeta que poderá estar a caminho da auto-destruição.

  • SIC acompanhou visita de Guterres ao Quénia em 2010
    1:52

    Guterres na ONU

    Ao longo de 10 anos de mandato como alto comissário para os refugiados, António Guterres fez múltiplas visitas a campos de acolhimento. Em 2010, a SIC testemunhou a forma como Guterres encarava estas situações, ao acompanhar o português numa visita a um campo no norte do Quénia.

  • Passos elogia escolha de Paulo Macedo mas diz que não é suficiente
    1:47

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho diz que Paulo Macedo é competente para liderar os destinos da Caixa Geral de Depósitos, mas que a nomeação do antigo ministro não é suficiente para passar uma esponja sobre o assunto. Em Viseu, o líder do PSD não quis ainda avançar com um nome para a Câmara de Lisboa, depois de Santana Lopes afastar a hipótese de se candidatar.

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02
  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.