sicnot

Perfil

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Guterres na ONU

António Guterres: o conciliador com dificuldade nas decisões desagradáveis

O secretário-geral da ONU designado, António Guterres, é descrito por amigos e detratores como um "homem inteligente", um "workaholic" com "enorme capacidade conciliadora", mas também há quem lhe aponte "deslumbramento" e "incapacidade de tomar decisões desagradáveis".

Foi ainda na universidade - licenciou-se em Engenharia Eletrotécnica em 1971 - que António Guterres começou a formar uma das suas imagens de marca: o apoio social aos mais necessitados. Ainda estudante, Guterres liderou o Centro de Ação Social Universitária (CASU) para dar apoio a bairros pobres da cidade de Lisboa.

"Ele dava aulas no Bairro da Curraleira (entretanto demolido e conhecido hoje por Quinta do Lavrado). Fazia ação social permanente nesses bairros pobres. Ele e outros estudantes também ajudaram nas grandes inundações de Lisboa de 1967", recorda à Lusa o padre Vítor Melícias, o franciscano que casou António Guterres, em 1972.

Guterres, 67 anos, católico devoto, conheceu o padre Melícias no "Grupo da Luz", um espaço de discussão religiosa e social que integrava, entre outros, Helena Roseta, Marcelo Rebelo de Sousa ou Diogo de Lucena.

"Reuníamo-nos nas salas do Convento dos Franciscanos no Largo da Luz, uma vez por semana e por vezes até mais", lembra o padre franciscano, realçando que o grupo fazia "análise dos textos mais relacionados com a Ação Social saídos do Concílio Vaticano II".

"Os textos do Concílio Vaticano II foram dos que mais influenciaram o António Guterres. Não só a ele como a outros do grupo, como o Marcelo (Rebelo de Sousa)", realça Vítor Melícias.

O padre franciscano recorda Guterres como "um workaholic" (viciado no trabalho), um "trabalhador com uma capacidade impressionante" e que se destacava "não só pela enorme capacidade para 'ler' os problemas das pessoas, como para os resolver".

ARMANDO FRANCA

O socialista Jorge Coelho foi o braço-direito de António Guterres quando este decidiu avançar para secretário-geral do PS (cargo que desempenhou de 1992 a 2002). Ministro nos dois governos de Guterres, Jorge Coelho destaca a sua capacidade de "fazer pontes" e de "encontrar soluções para as pessoas".

Um conjunto de características que, agora, serão "fundamentais" nas suas novas funções como Secretário-Geral da ONU.

Enquanto primeiro-ministro, de 1995 a 2002 (demitiu-se em dezembro de 2001, após as eleições autárquicas), António Guterres teve de lidar com entidades patronais e federações de sindicatos e deixou impressões contraditórias.

© Enrique Shore / Reuters

Pedro Ferraz da Costa, que nesses anos presidia à Confederação da Indústria Portuguesa (CIP), elogia-lhe a "inteligência e rapidez de raciocínio", nomeadamente a capacidade de "perceber os interesses diversos das forças em presença".

"Apercebi-me disso quando a presidência rotativa da União Europeia coube a Portugal e ele teve de renegociar a distribuição de fundos aos diferentes países. Tive a sensação - em conversas com ele - de que houve reuniões em que o Guterres percebia quase melhor os problemas de determinado país do que o PM com quem estava a falar. Ele percebia bem quais os problemas em causa e quais eram os pontos em que poderiam chegar a acordo", recorda o empresário à Lusa.

No entanto, Pedro Ferraz da Costa aponta "um grande problema" a António Guterres.

"Ele tem um problema muito grande: gosta tanto que toda a gente goste dele que isso o impossibilitava de tomar decisões. Um chefe de Governo, para gerir um país, tem de tomar decisões que agradam a uns e que não agradam a outros e às vezes que não agradam quase a ninguém mas que são importantes a médio e a longo prazo", afirma Ferraz da Costa.

António Guterres "sabia bem o que fazer", mas "faltava-lhe depois um pouco de determinação para o conseguir realizar" conclui o antigo presidente da CIP.

ARMANDO FRANCA

Jorge Coelho argumenta que Guterres tomava e toma as decisões necessárias, mas "com ponderação" e "pesando bem as alternativas".

"Tomar decisões sem prejudicar violentamente terceiros é uma forma corajosa de ver o mundo", diz o amigo de longa data de Guterres, nascido em 30 de abril de 1949 em Lisboa e cuja infância se dividiu entre a capital e a terra natal da mãe, Donas, na Beira Baixa.

© Reuters Photographer / Reuter

Do lado dos sindicatos, o antigo secretário-geral da CGTP (entre 1986 e 2011) Manuel Carvalho da Silva recorda a capacidade de Guterres de "ouvir e aprender com os outros", mas recorda "um certo deslumbramento" do então primeiro-ministro com a forma como evoluía a situação económica do país.

"Foram os anos antes da Expo 1998 e o António Guterres estava focado na ideia de que a economia portuguesa vivia sem problemas", conta Carvalho da Silva, acrescentando que o primeiro-ministro lhe atendia o telefone quando pretendia transmitir as suas preocupações.

"Um dia numa visita a uma multinacional em Vila do Conde, um dos empresários estrangeiros chamou-me e deu-me conta que a sede queria produção mais barata pelo simples facto de a fábrica estar em Portugal. Liguei ao primeiro-ministro na altura", recorda o sindicalista, enaltecendo a "disponibilidade e o interesse" do chefe de Governo, algo que encontrou "menos" nos líderes de executivo que lhe seguiram.

© Reuters Photographer / Reuter

Em 2002, António Guterres abandonou a política ativa em Portugal, assumiu a posição de consultor do Conselho de Administração da Caixa Geral de Depósitos, até 2005, quando suspendeu a função, saindo em definitivo em 2010.

© Khaled Abdullah Ali Al Mahdi

Em 2005 foi escolhido para Alto-comissário da ONU para os Refugiados, cargo que manteve durante dez anos, e esta quinta-feira tornou-se oficialmente o 9.º secretário-geral da ONU e irá iniciar funções em 1 de janeiro de 2017 para um mandato de cinco anos.

Com Lusa

  • Guterres promete ser um mediador ao serviço de todos
    1:44

    Guterres na ONU

    No primeiro discurso na Assembleia-geral da ONU, após aclamação como 9.º secretário-geral das Nações Unidas, que iniciará funções em 1 de janeiro de 2017, António Guterres prometeu ser um mediador, trabalhar ao serviço de todos e proteger as mulheres e os mais fracos.

  • Guterres, o professor de matemática da Quinta do Mocho
    3:13

    Guterres na ONU

    Após a histórica eleição de António Guterres na ONU, a SIC continua a recordar o seu percurso. Já depois de ter sido primeiro-ministro, Guterres foi professor voluntário de matemática num bairro social de Lisboa. Os moradores e alunos da Quinta do Mocho recordam as qualidades humanas do novo secretário-geral da ONU.

  • A vida política de António Guterres
    3:09

    Guterres na ONU

    Na primeira audição para o cargo, António Guterres lembrou o passado como primeiro-ministro para defender que está preparado para resistir a pressões e que não lhe falta capacidade de diálogo. Guterres liderou dois governos minoritários com um segundo mandato mais conturbado, que acabou com a sua demissão. Durante mais de seis meses como chefe de Governo, a diplomacia foi sempre um triunfo, com Guterres a destacar-se nos palcos internacionais.

  • Os desafios de António Guterres
    2:31

    Guterres na ONU

    A maior crise migratória do pós-guerra e o conflito na Síria são, muito provavelmente, os maiores desafios do mandato de António Guterres à frente das Nações Unidas. O isolamento internacional da Coreia do Norte e do seu programa nuclear também estarão na agenda do próximo secretário Geral da ONU que herda um planeta que poderá estar a caminho da auto-destruição.

  • SIC acompanhou visita de Guterres ao Quénia em 2010
    1:52

    Guterres na ONU

    Ao longo de 10 anos de mandato como alto comissário para os refugiados, António Guterres fez múltiplas visitas a campos de acolhimento. Em 2010, a SIC testemunhou a forma como Guterres encarava estas situações, ao acompanhar o português numa visita a um campo no norte do Quénia.

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59