sicnot

Perfil

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Guterres na ONU

António Guterres vai nomear mulher para secretária-geral adjunta

O futuro secretário-geral da ONU, António Guterres, anunciou esta quinta-feira que vai nomear uma mulher para secretária-geral adjunta.

"Quando propuser uma secretaria-geral adjunta será uma mulher. É a minha firme intenção que seja uma mulher", afirmou o antigo primeiro-ministro português, nas primeiras declarações à imprensa portuguesa desde que foi eleito para secretário-geral da Organização da Nações Unidas.

Guterres vincou que "é normal em termos de paridade que, se o secretário-geral for um homem, a secretária-geral adjunta seja uma mulher e que se a secretária-geral for uma mulher que o secretário-geral adjunto seja um homem".

Varios especialistas indicaram que António Guterres deve escolher uma candidata de entre as que participaram na eleição, mas o novo secretário-geral disse que ainda não tem nenhum nome.

"Ainda não estamos nessa fase, isto foi tão rápido que estamos a viver cada momento por si e depois na altura própria terei de fazer as consultas, que são indispensáveis de acordo com as normas, e escolher a pessoa mais indicada", explicou, acrescentando que a sua " preocupação é de estabelecer um regime de paridade nas Nações Unidas, com um caminho para isso tão rápido quanto possível, visto que a situação hoje é tão desequilibrada".

Lusa

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.