sicnot

Perfil

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Canadá felicita Guterres pela nomeação como secretário-geral da ONU

© Chris Wattie / Reuters

O primeiro-ministro canadiano Justin Trudeau felicitou hoje António Guterres pela nomeação por aclamação como novo secretário-geral das Nações Unidas.

"Em nome de todos os canadianos, tenho o prazer de endereçar as minhas felicitações a António Guterres pela sua nomeação pela Assembleia-geral da ONU para ser o próximo secretário-geral das Nações Unidas", afirmou Justin Trudeau em comunicado.

O líder do governo federal salientou ainda que o Canadá acredita firmemente que a ONU "é essencial para resolver muitos dos desafios urgentes com que se depara o mundo", nomeadamente questões como as "alterações climáticas, os refugiados e as migrações, assegurando a paz em todo o mundo".

"No início do próximo ano, Guterres inicia um dos trabalhos mais desafiantes do Mundo. O Canadá estará aqui para o ajudar e às Nações Unidas, fazendo do mundo um melhor lugar para os seus 7,7 mil milhões de habitantes", acrescentou na nota.

Enquanto alto-comissário da ONU para os Refugiados, cargo que Guterres desempenhou até dezembro de 2015, o Canadá trabalhou em estreita colaboração com António Guterres e procura continuar a fazê-lo agora como secretário-geral da ONU.

O antigo primeiro-ministro português esteve no Canadá no passado dia 29 de janeiro, onde recebeu pela Universidade de Carleton, em Otava, o grau Doutor 'Honoris Causa' e participou também no "Fórum Otava 2016", em que agradeceu o papel do Canadá no acolhimento dos refugiados.

António Guterres foi hoje aclamado como novo secretário-geral das Nações Unidas, numa sessão da Assembleia-geral da ONU que ratificou a escolha feita pelo Conselho de Segurança em 05 de outubro.

António Guterres vai assumir a liderança das Nações Unidas por um mandato de cinco anos, até 31 de dezembro de 2021.

Lusa

  • Guterres promete ser um mediador ao serviço de todos
    1:44

    Guterres na ONU

    No primeiro discurso na Assembleia-geral da ONU, após aclamação como 9.º secretário-geral das Nações Unidas, que iniciará funções em 1 de janeiro de 2017, António Guterres prometeu ser um mediador, trabalhar ao serviço de todos e proteger as mulheres e os mais fracos.

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.