sicnot

Perfil

Guterres na ONU

Guterres promete ser um mediador ao serviço de todos

Guterres promete ser um mediador ao serviço de todos

No primeiro discurso na Assembleia-geral da ONU, após aclamação como 9.º secretário-geral das Nações Unidas, que iniciará funções em 1 de janeiro de 2017, António Guterres prometeu ser um mediador, trabalhar ao serviço de todos e proteger as mulheres e os mais fracos.

"É com gratidão e humildade e com grande sentido de responsabilidade que me apresento hoje", afirmou o novo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, na sua primeira declaração após ser aclamado pela Assembleia-geral da ONU.

O antigo primeiro-ministro garantiu que não terá "nenhuma agenda a não ser a da Carta das Nações Unidas" e que privilegiará uma "abordagem humilde" à atual complexidade do mundo.

Sublinhou ter "um conhecimento profundo" das limitações do cargo e dos desafios para a organização e garantiu que vai trabalhar como "um convocador, um mediador, um construtor de pontes e um intermediário honesto para ajudar a encontrar soluções que beneficiem todos os envolvidos".

Recordando a sua experiência de dez anos à frente do Alto Comissariado das Nações Unida para os Refugiados (ACNUR), reconheceu que é legítimo perguntar "o que aconteceu à 'dignidade e valor da pessoa humana'".

No discurso, Guterres concentrou-se na paz, "a grande ausente" do mundo de hoje. "Sem paz, não podemos garantir o desenvolvimento sustentável e o respeito pelos direitos humanos", vincou.

"Quando estudava História no liceu, e com paixão, quase todas as guerras terminavam com vencedores. Mas os conflitos atuais não conhecem mais nada além de perdedores", distinguiu, sublinhando que "as guerras parecem intermináveis, são mais e mais complexas e interligadas e alimentam o ódio e o terrorismo".

E voltou a assumir o "profundo sentido de responsabilidade" de que já tinha falado antes: "É nossa responsabilidade coletiva acabar com este estado de coisas."

Consciente das "diferentes visões" e dos "interesses legítimos por vezes divergentes" dos Estados que compõem as Nações Unidas, Guterres afirmou que "as ameaças" atuais à "segurança coletiva" impõem a prevalência de "um interesse comum". Sobre isto, Guterres deixou um apelo: "Unamo-nos pela paz -- esta é a exigência mais premente dos cidadãos do mundo que devemos servir."

Sem mencionar diretamente os escândalos que envolvem as forças de manutenção de paz - nomeadamente os abusos sexuais na República Centro-Africana e a epidemia de cólera no Haiti -, o próximo secretário-geral convocou os Estados-membros e todas as estruturas da organização a impedirem que "comportamentos repugnantes danifiquem o heroísmo ao serviço das Nações Unidas".

Guterres não deixou de fazer referência à igualdade de género - no contexto em que uma parte da comunidade internacional reclamava uma mulher para a liderança da organização -, sublinhando que há muito conhece "os obstáculos que as mulheres enfrentam na sociedade, na família e no trabalho" e que tem testemunhado "a violência a que estão sujeitas".

No discurso, Guterres garantiu que "a proteção e a capacitação das mulheres e das meninas vão continuar a ser uma prioridade" durante o seu mandato, que terminará a 31 de dezembro de 2021.

Num discurso em inglês, espanhol e francês, Guterres elogiou "a notável demonstração de consenso e unidade" em torno da sua eleição e também "a transparência e a abertura do processo de seleção", para concluir que venceu, antes de tudo, "a credibilidade" das Nações Unidas.

As únicas palavras que disse em português -- língua não oficial nas Nações Unidas - foram "muito obrigado", mesmo no final da intervenção.

Os 193 países membros das Nações Unidas ratificaram hoje em Assembleia-geral, por aclamação, a escolha de António Guterres para liderar a organização, feita em 5 de outubro pelo Conselho de Segurança, o principal órgão decisório da ONU.

António Guterres, antigo primeiro-ministro de Portugal e ex-alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados, será, a partir de 1 de janeiro de 2017, o 9.º secretário-geral da ONU, com um mandato de cinco anos, sucedendo ao coreano Ban Ki-moon.

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.