sicnot

Perfil

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Os principais momentos da escolha de Guterres para secretário-geral

SALVATORE DI NOLFI

O antigo primeiro-ministro português António Guterres foi confirmado esta quinta-feira como secretário-geral da ONU, concluindo um processo de seleção considerado como o mais transparente da história das Nações Unidas. O antigo Alto-Comissário das Nações Unidas para os Refugiados venceu todas as votações realizadas pelo Conselho de Segurança, apesar de vários dirigentes políticos defenderem uma mulher da Europa de Leste para o cargo. Conheça aqui alguns dos principais momentos do processo de escolha do novo secretário-geral da ONU.

29 de fevereiro - Portugal formaliza a candidatura de António Guterres a secretário-geral da ONU.

17 de junho - A candidatura de António Guterres lança na Internet o seu site oficial, com conteúdo em inglês e alojada na plataforma do Governo português. O site, com o título "Uma vida dedicada ao serviço público", foi lançado a pouco mais de um mês da primeira votação pelos 15 membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

21 de julho - Primeira votação, na qual os 11 candidatos a secretário-geral da ONU receberam indicações de "encorajamento, desencorajamento" ou "indiferença" por parte dos 15 membros do Conselho de Segurança da ONU. O ex-primeiro-ministro português recebeu 12 votos de encorajamento e três "sem opinião" e não teve nenhum voto contra a sua candidatura à liderança da ONU.

Dos restantes candidatos a suceder a Ban Ki-moon, o esloveno Danilo Turk recebeu 11 votos de apoio e dois votos contra.

Depois, surgiu a ex-ministra dos Negócios Estrangeiros búlgara e diretora da UNESCO, Irina Bokova, com nove votos de encorajamento e quatro de desencorajamento.

Seguiram-se Vuk Jeremic, da Sérvia, e Helen Clark, da Nova Zelândia.

Os últimos lugares ficaram para Miroslav Lajcak, da Eslováquia; Susana Malcorra, da Argentina; Christiana Figueres, da Costa Rica; Natalia Gherman, da Moldávia; Igor Luksic, de Montenegro. Vesna Pusic, da Croácia, ficou em último, com 11 votos negativos.

5 de agosto - António Guterres fica à frente na segunda votação secreta, com 11 votos "encoraja", dois votos "não tem opinião" e dois "desencoraja".

Vuk Jeremic, da Sérvia alcançou o segundo lugar com oito votos favoráveis, mas quatro "desencoraja" e três sem opinião.

Em terceiro lugar ficou Susana Malcorra, também com oito votos "encoraja", mas seis votos desfavoráveis e apenas um "sem opinião".

O ex-Presidente esloveno Danilo Turk, que tinha ficado em segundo lugar na primeira votação, desceu para quarto lugar com sete votos positivos, cinco negativos e três sem opinião.

Irina Bokova obteve sete votos de desencorajamento, o mesmo número de países que encoraja a sua candidatura, com um a não indicar opinião.

29 de agosto - O ex-primeiro-ministro português fica à frente na terceira votação secreta, mas com pior resultado face às duas anteriores. Guterres teve 11 votos "encoraja", três "desencoraja" e um "sem opinião".

O ministro dos Negócios Estrangeiros eslovaco, Miroslav Lajcak, que se encontrava no final da lista nas primeiras votações, subiu ao segundo lugar. O candidato da Europa de Leste reuniu nove votos de apoio, cinco votos "desencoraja" e um "sem opinião".

Em terceiro lugar ficou Irina Bokova, com o mesmo número de "desencoraja", mas apenas sete votos de encorajamento e três sem opinião. Vuk Jeremic, que tinha ficado em segundo lugar na última votação, conseguiu os mesmos votos de Bokova.

9 de setembro - Guterres ganha a quarta votação, melhorando o resultado face à anterior. O ex-primeiro-ministro português obteve 12 votos "encoraja", dois "desencoraja" e um "sem opinião".

Em segundo lugar ficou novamente o eslovaco Miroslav Lajcak, com 10 encoraja, quatro desencoraja e um "sem opinião", melhorando também a sua votação da terceira ronda.

Em terceiro lugar ficou o sérvio Vuc Jeremic, com nove "encoraja", quatro "desencoraja" e dois "sem opinião".

A primeira mulher, Irina Bokova, durante muito tempo indicada como favorita, surge em quinto lugar, com sete "encoraja", cinco "desencoraja" e três "sem opinião".

26 de setembro - António Guterres fica à frente na quinta votação, com 12 votos "encoraja", dois "desencoraja" e um "sem opinião", o mesmo resultado da votação anterior.

Em segundo lugar, ficou o sérvio Vuk Jeremic, mas com apenas oito votos de encorajamento, seis "desencoraja" e um "sem opinião.

O eslovaco Miroslav Lajcak, que ficara em segundo lugar da última vez, desce para terceiro e piora os seus resultados: oito "encoraja", sete "desencoraja" e nenhum "sem opinião".

Susana Malcorra, da Argentina, fica no quarto lugar, com sete "desencoraja" e o mesmo número de "encoraja", alcançando o seu melhor resultado.

Danilo Turk, da Eslovénia, empata no quarto lugar com os mesmos votos.

Irina Bokova, que foi durante muito tempo considerada a favorita na corrida, tem agora mais votos "desencoraja" (sete), do que "encorajamentos" (seis).

© Mike Segar / Reuters

5 de outubro - António Guterres vence a sexta votação no Conselho de Segurança, com 13 votos a favor e duas abstenções.

"Hoje, depois da nossa sexta votação, temos um favorito claro e o seu nome é António Guterres. Decidimos avançar para um voto formal amanhã de manhã e esperamos fazê-lo por aclamação", disse aos jornalistas o embaixador russo na ONU, Vitaly Churkin.

6 outubro - O Conselho de Segurança aclama o nome de Guterres para secretário-geral da ONU.

O antigo primeiro-ministro português disse numa declaração em Lisboa sentir "humildade" e "gratidão" pela escolha.

© Rafael Marchante / Reuters

13 outubro - A Assembleia-geral da ONU ratifica, por aclamação, a escolha do Conselho de Segurança e António Guterres torna-se oficialmente o novo secretário-geral das Nações Unidas. O mandato de António Guterres como 9.º secretário-geral da ONU vai começar em 1 de janeiro de 2017.

Com Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.