sicnot

Perfil

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Guterres recebe Honoris Causa em Madrid a 16 de novembro

A Universidade Europeia de Madrid vai atribuir a 16 de novembro próximo o título de doutor Honoris Causa a António Guterres pelas suas capacidades de liderança como alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados.

Fonte da Universidade Europeia disse à Lusa que o mundo está num momento em que "faz falta liderança", como aquela que o português exerceu durante os dez anos em que chefiou o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados.

A universidade também reconhece António Guterres por ter apoiado as pessoas apátridas e por salvaguardar os direitos daqueles que se vêm obrigados a deixar o seu país em consequência de guerras, revoluções e perseguições políticas.

Felipe González, presidente do Governo espanhol entre 1982 e 1996, vai pronunciar o discurso de elogio (laudatório) a António Guterres, numa cerimónia que se irá realizar a 16 de novembro no Complexo Universitário Juan Mayorga da Universidade Europeia, em Villaviciosa de Odón, nos arredores de Madrid.

A atribuição do Doutoramento está a ser ponderada desde há um ano e não tem nada a ver com a recente escolha do também ex-primeiro-ministro português para secretário-geral das Nações Unidas, segundo a mesma fonte.

António Guterres exerceu o cargo de alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados entre 15 de junho de 2005 e 31 de dezembro de 2015 e a partir de 01 de janeiro de 2017 vai assumir o cargo de secretário- geral das Nações Unidas, por um período de cinco anos.

A Universidade Europeia de Madrid atribui o título de doutor Honoris Causa aos profissionais que pela sua "capacidade e trajetória pessoal e profissional, com reconhecimento nacional e internacional, se destacam no âmbito da ciência, tecnologia, cultura, docência, investigação ou qualquer das áreas profissionais que trazem valores à sociedade".

Nesta instituição, já foram laureados com este doutoramento o tenista Rafa Nadal, o ex-presidente da Comissão Europeia José Manuel Durão Barroso, o barítono e tenor Plácido Domingo, o primeiro presidente da Polónia democrática, Lech Walesa e o primeiro presidente da África do Sul depois do fim do período de segregação racial conhecido por "apartheid", Nelson Mandela.

Lusa

  • A emotiva aclamação de António Guterres
    3:02

    Guterres na ONU

    A assembleia-geral da ONU confirmou esta quinta-feira a escolha feita pelo Conselho de Segurança, há uma semana. António Guterres foi aclamado como novo secretário-geral das Nações Unidas. No discurso, Guterres voltou a apresentar-se com "gratidão e humildade" e prometeu manter um "grande sentido de responsabilidade."

  • Os principais momentos da escolha de Guterres para secretário-geral

    Guterres na ONU

    O antigo primeiro-ministro português António Guterres foi confirmado esta quinta-feira como secretário-geral da ONU, concluindo um processo de seleção considerado como o mais transparente da história das Nações Unidas. O antigo Alto-Comissário das Nações Unidas para os Refugiados venceu todas as votações realizadas pelo Conselho de Segurança, apesar de vários dirigentes políticos defenderem uma mulher da Europa de Leste para o cargo. Conheça aqui alguns dos principais momentos do processo de escolha do novo secretário-geral da ONU.

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.