sicnot

Perfil

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Apoio de Portugal foi "dos fatores mais importante para que candidatura triunfasse"

TIAGO PETINGA

O secretário-geral das Nações Unidas designado, António Guterres, agradeceu esta sexta-feira na Assembleia da República, onde foi distinguido com o Prémio de Direitos Humanos 2016, "todo o apoio" de Portugal, "um dos fatores mais importantes para que candidatura triunfasse".

Durante a cerimónia de atribuição do mais alto galardão atribuído pelo parlamento português, que decorre na Sala do Senado, na presença de altas figuras do Estado, como o Presidente da República e o primeiro-ministro, António Guterres reconheceu que a agenda dos direitos humanos está "em regressão".

António Guterres, ex-alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados, doou o valor do prémio, 25 mil euros, ao Conselho Português para os Refugiados.

O júri do prémio contou com representantes de todas as bancadas parlamentares e decidiu, unanimemente, distinguir António Guterres "pelo trabalho desenvolvido na defesa dos direitos humanos", sobretudo no período em que liderou o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

Desde 1999, a Assembleia da República já distinguiu com o prémio figuras como o ex-Presidente Mário Soares, a jornalista e defensora dos direitos das mulheres Maria Lamas, o bispo timorense de Baucau, Basílio do Nascimento, e o brasileiro Sérgio Vieira de Mello, morto ao serviço das Nações Unidas.

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41