sicnot

Perfil

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Guterres na ONU

Guterres faz hoje o seu primeiro discurso no Conselho de Segurança

Durante os dez anos que esteve à frente do ACNUR, António Guterres "administrou algumas das maiores crises de refugiados dos últimos tempos", frisou Grandi, congratulando-se com a escolha do antigo primeiro-ministro português para o mais alto cargo na ONU.

© Denis Balibouse / Reuters

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, vai fazer esta terça-feira o seu primeiro discurso no Conselho de Segurança, centrado na importância de uma diplomacia mais assertiva, apoiada pelas potências mundiais.

Guterres substituiu Ban Ki-moon no dia 1 de janeiro, prometendo agitar a organização mundial e aumentar os esforços para combater crises globais, desde a carnificina na Síria ao massacre no Sudão do Sul.

O antigo primeiro-ministro português e líder da agência da ONU para os refugiados vai enfrentar um Conselho de Segurança profundamente dividido, que tem sido incapaz de tomar ações decisivas para acabar com a guerra na Síria, agora no seu sexto ano.

"A maior falha da comunidade internacional atualmente é a incapacidade de prevenir conflitos e manter a segurança global", escreveu Guterres num artigo de opinião publicado na revista norte-americana Newsweek, na segunda-feira.

"Onde as guerras já lavram precisamos de mediação, arbitragem e diplomacia criativa apoiada por todos os países com influência", acrescentou.

A primeira aparição formal do secretário-geral da ONU no conselho será durante um debate sobre prevenção de conflitos, liderado pela ministra dos Negócios Estrangeiros sueca, Margot Wallstrom, cujo país ocupa este mês a presidência do conselho.

Pelo menos nove dos 15 membros do conselho vão estar representados a nível ministerial para ouvir Guterres apresentar o seu plano de ação como líder da diplomacia mundial.

Entre as esperadas mudanças está uma abordagem mais prática do novo secretário-geral, o que é visto como uma mudança em relação a Ban, que deixou a mediação quase sempre entregue aos seus enviados especiais.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35

    País

    A data para as próximas eleições autárquicas já gerou consenso. 1 de outubro é a data pedida pelos vários partidos ouvidos esta segunda-feira por António Costa. Na próxima quinta-feira, no Conselho de Ministros, o dia de ir às urnas vai ser escolhido.