sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Construtora investigada tinha departamento de subornos

Os investigadores federais da Operação Lava Jato, que apura os esquemas de corrupção na Petrobras, disseram hoje que descobriram um setor inteiramente destinado ao pagamento de subornos dentro da construtora Odebrecht.

Segundo a delegada federal Renata Rodrigues, as informações descobertas nesta fase, sobre a contabilidade da construtora para pagamento de subornos, indicam que este setor funcionava como uma organização criminosa.

As investigações na Odebrecht ganharam força depois das autoridades encontraram vários documentos, designadamente gráficos de Excel na 23.ª fase da operação Lava Jato, com o nome de código Acarajé, com dados sobre pagamentos em dinheiro e transferências para o estrangeiro dedicadas a centenas de recebedores.

Renata Rodrigues também explicou que assim que foram iniciadas as investigações sobre as atividades ilegais da Odebrecht, a empresa adotou medidas para retirar os funcionários envolvidos do Brasil.

"Desde altos diretores até secretárias foram retirados do Brasil, convidados a morar no exterior, como forma de proteger a informação e também viabilizar a continuidade do esquema ilícito. Se observou que de fato houve a continuidade dessa atividade ilícita", afirmou.

Os pagamentos feitos pela construtora estão relacionados com diversas obras e serviços prestados ao governo federal e também a governos estaduais e municipais.

Até agora, a operação rastreou oito contas mantidas por doleiros (operadores do mercado paralelo de câmbio) a favor da construtora. Numa delas, foram identificados 16,2 milhões de euros disponíveis para o pagamento de subornos no exterior.

Entre as obras citadas pelos promotores está a Arena Corinthians, em São Paulo, um dos estádios de futebol do campeonato do mundo de 2014 e obras do metro do Rio de Janeiro.

O procurador Carlos Fernando dos Santos Lima também citou que entre os setores da construtora que autorizava e também solicitava pagamentos ilícitos estão a Odebrech infraestrutura, África Emirados Árabes e Portugal.

Nas tabelas usadas para justificar a operação, com dados de 2014 e 2015, constavam valores, endereços e nomes de código dos que recebiam subornos, entre os quais a sigla MBO.

Segundo a equipa responsável pelas investigações da Lava Jato, MBO corresponde a Marcelo Bahia Odebrecht, presidente-executivo da companhia.

Em sua defesa, o empresário diz que não tinha conhecimento de todas as estruturas da Odebrecht e que não participava diretamente do quotidiano das empresas do grupo.

Já a procuradora federal Laura Gonçalves Tessler contradiz a versão do acusado, afirmando que além das referências existentes nas tabelas, existiam anotações dos telemóveis do executivo.

"Isso reforça ainda mais a convicção de que Marcelo Odebrecht não só tinha conhecimento como comandava toda essa sistemática de pagamento de propina (suborno)", destacou.

A 26.ª fase da Lava Jato, com o nome de código Xepa, mobilizou perto de 380 polícias federais desde o início da manhã, que estão a investigar a estrutura interna da Odebrecht.

No total, os agentes cumpriram 110 ordens judiciais no Distrito Federal e nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Bahia, Piauí, Santa Catarina e Pernambuco.

Destas ordens judiciais, 67 são mandados de busca e apreensão, 28 de condução coercitiva, 11 de prisão temporária e quatro de prisão preventiva.

Lusa

  • Os dois anos da Operação Lava Jato

    Operação Lava Jato

    A crise política no Brasil tem vindo a agravar-se nos últimos meses e a nomeação hoje de Lula da Silva para ministro da Casa Civil do Governo de Dilma Rousseff gerou mais manifestações nas ruas. A entrada de Lula da Silva no Governo é encarada como uma tentativa de o ex-Presidente escapar à justiça, dado que está a ser investigado na Operação Lava Jato, sobre um esquema de corrupção em várias empresas, incluindo a petrolífera estatal Petrobras. A Operação Lava Jato começou há exatamente dois anos.

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.