sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Polícia Judiciária foi "decisiva" na detenção de luso-brasileiro

O procurador brasileiro Diogo Castor de Mattos disse hoje que a "contribuição da Polícia Judiciária (PJ) portuguesa foi decisiva para a detenção" do luso-brasileiro Raul Schmidt Felipe Júnior no âmbito da Operação Lava Jato.

O procurador que acompanhou a 25ª fase da Operação Lava Jato em Portugal afirmou, numa declaração enviada aos jornalistas por 'email', que a operação foi "tranquila" e contou com "a contribuição decisiva da Polícia Judiciária portuguesa", que deu todo o apoio logístico necessário, inclusive fazendo um levantamento local".

A operação de hoje teve a participação de 14 elementos da PJ, um procurador da República, um juiz, bem como do procurador Diogo Castor Mattos e dois elementos da Polícia Federal do Brasil.

Segundo fonte do Tribunal da Relação de Lisboa, o detido tem 48 horas para se apresentar ao juiz desembargador de turno naquele tribunal superior e ser-lhe-á feita apenas uma pergunta: se aceita o pedido de extradição feito pelas autoridades judiciárias brasileiras.

Caso a resposta seja negativa, explicou a fonte, "o juiz dá ao detido no mínimo cinco dias, mas normalmente dez", para que este fundamente, por escrito e através de um advogado, a sua recusa de extradição.

A partir de então, de acordo com o procurador brasileiro, "o Brasil terá 40 dias para formalizar o pedido de extradição", cabendo depois a Portugal a decisão final.

Apesar de Raul Schmidt Felipe Júnior ser luso-brasileiro, "não é um português nato", pois nasceu no Brasil, por isso, o procurador acredita que "há possibilidade de Portugal extraditá-lo".

"Caso não seja extraditado, o processo contra ele no Brasil será transferido para Portugal", esclareceu.

Diogo Castor de Mattos referiu ainda que o detido é "um dos grandes operadores de vantagem indevida na Petrobras do exterior".

"Foi possível apreender uma vasta documentação da utilização dessas contas ocultas em nome de 'offshores' no exterior, e certamente isso representará um avanço importante para seguir o rasto desse dinheiro, para seguir o rasto desses crimes praticados principalmente na Suíça, no Mónaco e em outros países", disse.

De acordo com a Procuradoria brasileira, Raul Schmidt Felipe Júnior é investigado pelo pagamento de subornos aos ex-diretores da estatal petrolífera Petrobras Renato de Souza Duque (Serviços), Nestor Cerveró e Jorge Luiz Zelada (ambos da área Internacional).

Os três estão presos no Brasil pela participação no esquema de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa instalado na Petrobras.

Raul Schmidt foi sócio do ex-diretor da Área Internacional da Petrobrás Jorge Zelada, condenado no mês passado a 12 anos e dois meses de prisão por corrupção e branqueamento de capitais no âmbito da Operação Lava Jato.

A Operação Lava Jato começou em março de 2014 e é considerada uma das maiores investigações a atos de corrupção e branqueamento de capitais no Brasil.

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28