sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Polícia Judiciária foi "decisiva" na detenção de luso-brasileiro

O procurador brasileiro Diogo Castor de Mattos disse hoje que a "contribuição da Polícia Judiciária (PJ) portuguesa foi decisiva para a detenção" do luso-brasileiro Raul Schmidt Felipe Júnior no âmbito da Operação Lava Jato.

O procurador que acompanhou a 25ª fase da Operação Lava Jato em Portugal afirmou, numa declaração enviada aos jornalistas por 'email', que a operação foi "tranquila" e contou com "a contribuição decisiva da Polícia Judiciária portuguesa", que deu todo o apoio logístico necessário, inclusive fazendo um levantamento local".

A operação de hoje teve a participação de 14 elementos da PJ, um procurador da República, um juiz, bem como do procurador Diogo Castor Mattos e dois elementos da Polícia Federal do Brasil.

Segundo fonte do Tribunal da Relação de Lisboa, o detido tem 48 horas para se apresentar ao juiz desembargador de turno naquele tribunal superior e ser-lhe-á feita apenas uma pergunta: se aceita o pedido de extradição feito pelas autoridades judiciárias brasileiras.

Caso a resposta seja negativa, explicou a fonte, "o juiz dá ao detido no mínimo cinco dias, mas normalmente dez", para que este fundamente, por escrito e através de um advogado, a sua recusa de extradição.

A partir de então, de acordo com o procurador brasileiro, "o Brasil terá 40 dias para formalizar o pedido de extradição", cabendo depois a Portugal a decisão final.

Apesar de Raul Schmidt Felipe Júnior ser luso-brasileiro, "não é um português nato", pois nasceu no Brasil, por isso, o procurador acredita que "há possibilidade de Portugal extraditá-lo".

"Caso não seja extraditado, o processo contra ele no Brasil será transferido para Portugal", esclareceu.

Diogo Castor de Mattos referiu ainda que o detido é "um dos grandes operadores de vantagem indevida na Petrobras do exterior".

"Foi possível apreender uma vasta documentação da utilização dessas contas ocultas em nome de 'offshores' no exterior, e certamente isso representará um avanço importante para seguir o rasto desse dinheiro, para seguir o rasto desses crimes praticados principalmente na Suíça, no Mónaco e em outros países", disse.

De acordo com a Procuradoria brasileira, Raul Schmidt Felipe Júnior é investigado pelo pagamento de subornos aos ex-diretores da estatal petrolífera Petrobras Renato de Souza Duque (Serviços), Nestor Cerveró e Jorge Luiz Zelada (ambos da área Internacional).

Os três estão presos no Brasil pela participação no esquema de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa instalado na Petrobras.

Raul Schmidt foi sócio do ex-diretor da Área Internacional da Petrobrás Jorge Zelada, condenado no mês passado a 12 anos e dois meses de prisão por corrupção e branqueamento de capitais no âmbito da Operação Lava Jato.

A Operação Lava Jato começou em março de 2014 e é considerada uma das maiores investigações a atos de corrupção e branqueamento de capitais no Brasil.

Lusa

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59