sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Brasil pede extradição de luso-brasileiro que quer ser julgado em Portugal

As autoridades brasileiras já pediram a extradição do cidadão luso-brasileiro Raul Schmidt Felipe Júnior, detido em Lisboa a 21 de março no âmbito da operação Lava Jato, que pretende ser julgado em Portugal.

"O pedido de extradição já foi formalizado e agora cabe ao tribunal português decidir", disse à agência Lusa fonte da Procuradoria da República do Paraná, onde decorre a investigação Lava Jato, que investiga um esquema de corrupção que envolve várias empresas, incluindo a gigante petrolífera estatal Petrobras.

De acordo com a mesma fonte, não há previsão de quando será tomada a decisão das instâncias judiciais portuguesas.

"O investigado Raul Schmidt apresentou manifestação formal de oposição à extradição", confirmou a mesma fonte, que, no entanto, não soube precisar os motivos na base desse desejo.

Segundo o Tribunal da Relação de Lisboa, que determinou a 22 de março a prisão preventiva para o investigado, estão em causa suspeitas de crimes de corrupção, branqueamento de capitais com repercussão transnacional e associação criminosa.

Lusa

  • "Quem não deve não teme"

    Football Leaks

    O futebolista português Cristiano Ronaldo, questionado sobre a sua alegada fuga ao fisco veiculada pela investigação "Football Leaks", disse que "quem não deve não teme", numa reação difundida esta quinta-feira pela rádio espanhola Onda Cero.

  • Hospitais já registam picos de afluência apesar de casos de gripe serem ainda poucos
    2:13

    País

    A gripe ainda não chegou em força, mas nos últimos dias foram vários os hospitais com grande afluências de doentes, sobretudo idosos e com infeções respiratórias. Em alguns dias desta semana o número de doentes disparou para mais de 600, como disse à SIC o presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário de Coimbra.

  • Cerca de 150 civis doentes retirados de Alepo

    Mundo

    Cerca de 150 civis, a maioria doentes ou deficientes, foram retirados na noite de quarta-feira para quinta-feira de um centro de saúde de Aleppo, na parte mais antiga da cidade tomada pelo exército sírio, anunciou a Cruz Vermelha internacional.