sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Procurador da Lava Jato diz que anteriores governos controlavam investigações

O procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima, integrante da equipa que trata da Operação Lava Jato, disse hoje que os anteriores governos brasileiros controlavam as instituições de investigação.

Procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima, integrante da equipa que trata da Operação Lava Jato.

Procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima, integrante da equipa que trata da Operação Lava Jato.

© Rodolfo Buhrer / Reuters

"Os governos anteriores realmente mantinham o controle das instituições, mas esperamos que isso esteja superado", disse o procurador, citado pela imprensa, numa declaração vista como um recado para futuros governantes.

O responsável destacou como "um ponto positivo que os governos investigados do PT [Partido dos Trabalhadores, da atual Presidente] têm a seu favor": "boa parte da independência atual do Ministério Público, da capacidade técnica da Polícia Federal decorre de uma não intervenção do poder político, fato que tem que ser reconhecido".

Carlos Fernando dos Santos Lima respondia assim à possibilidade de Michel Temer, vice-Presidente brasileiro e presidente do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), assumir a liderança do país.

O PMDB decidiu, esta terça-feira, abandonar a coligação governamental, o que agrava os problemas da Presidente Dilma Rousseff, que enfrenta pedidos de destituição do cargo.

À margem da sua participação numa palestra na Câmara Americana de Comércio Brasil-Estados Unidos, em São Paulo, o procurador alertou que existem riscos de interferência na investigação.

"Nós temos riscos de obstaculização da operação quase que diariamente, as interceptações telefónicas mostram isso. Colaboradores mostram isso. Agora, creio que as pessoas perceberam que o risco de tentar obstruir a Lava Jato é muito grande", avisou.

A Lava Jato investiga um esquema de corrupção que envolve várias empresas, incluindo a petrolífera Petrobras, e vários políticos, como o ex-Presidente Lula da Silva.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.