sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Maioria dos deputados brasileiros quer a destituição de Dilma

Uma sondagem divulgada hoje pelo jornal Folha de S. Paulo indica que 60% dos parlamentares brasileiros da Câmara dos Deputados pretende a destituição da Presidente Dilma Rousseff, pelo que vão votar a favor da continuação desse processo.

© Ricardo Moraes / Reuters

Os dados do Instituto Datafolha indicam que a chefe de Estado tem contra si, neste momento, 308 votos, 34 menos que os 342 necessários.

A pesquisa informou que 21%, ou seja 108 parlamentares, declararam que vão votar contra a destituição.

Os deputados indecisos ou que ainda não divulgaram a sua decisão totalizam 18%.

A Câmara dos Deputados do Brasil é composta por 513 parlamentares e para que haja a indicação de abertura de um processo de 'impeachment' (destituição) de um Presidente, são necessários os votos de dois terços do plenário: 342 deputados.

Para arquivar o processo, a Presidente precisa do apoio de 171 deputados.

Se o pedido de destituição de Dilma Rousseff for aprovado pelos deputados, este será remetido para o Senado, que decidirá dar ou não andamento ao processo.

Segundo o que está previsto pelo Supremo Tribunal Federal, a decisão dos senadores pode contrariar a dos deputados.

O Senado é responsável pelo processo e o julgamento de destituição de um Presidente no Brasil.

Lusa

  • Incêndios em Portugal - um mês depois
    9:10

    Reportagem Especial

    Regressar a casa para refazer a vida é tudo o que querem as famílias a quem o fogo levou quase tudo, há cerca de um mês. Contudo, esse regresso não tem sido fácil. Depois dos incêndios, famílias e empresas ainda têm de vencer as burocracias. A Reportagem Especial deste sábado regressa a Seia, onde arderam mais de 70 casas de primeira habitação e onde a vida de muitos parece ter entrado num impasse.

  • CIP contra 600€ de salário mínimo, ameaça boicatar iniciativas do governo
    1:28

    Economia

    O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) está contra o aumento do salário mínimo para 600€. Em entrevista conjunta à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o presidente António Saraiva considerou a proposta "uma luta partidária" dos comunistas com o Bloco de Esquerda" e ameaça boicotar a presença em iniciativas publicas, promovidas pelo executivo.