sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Deputados decidem hoje continuação de processo de destituição de Dilma

A Comissão especial da Câmara dos Deputados que analisa o pedido de destituição da Presidente Dilma Rousseff, decide hoje se aprova ou não o parecer que recomendou a continuação do processo.

Dilma Rousseff, Presidente do Brasil

Dilma Rousseff, Presidente do Brasil

© Adriano Machado / Reuters

Na passada quarta-feira, o relator Jovair Arantes, do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), recomendou a continuação do processo contra Dilma Rousseff, confirmando as acusações de que ela teria cometido crimes de responsabilidade.

Para ser aprovado, o texto precisa apenas de uma maioria simples dos 65 parlamentares da comissão.

Se for aprovado, segue para publicação no Diário da Câmara e 48 horas depois o plenário de deputados votará o pedido.

A imprensa brasileira tem noticiado que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), que se opõe de forma declarada ao Governo, pretende marcar esta sessão plenária para o dia 17, um domingo, a mesma data para que foram convocadas manifestações contra Dilma Rousseff.

São necessários os votos de pelo menos 342 dos 513 deputados da Câmara para o Senado ser autorizado a abrir o processo de destituição.

Para arquivar o pedido, a chefe de Estado precisa do apoio de 171 deputados, entre votos a favor, faltas e abstenções.

Lusa

  • Quem são os arguidos da operação Fizz
    2:29

    País

    É já considerado o julgamento do ano da justiça portuguesa e o caso que está a abalar as relações entre Portugal e Angola. O processo da operação Fizz tem quatro arguidos, mas um deles, já é certo, não irá sentar-se esta segunda-feira no banco dos réus.

  • Que shutdown é este que paralisou os EUA?
    2:27
  • Quase 100 atletas testemunharam contra médico Larry Nassar
    1:38

    Desporto

    Quase 100 atletas e antigas ginastas da seleção dos Estados Unidos da América confrontaram esta semana, em tribunal, o médico Larry Nassar, acusado de assédio sexual. Em dezembro, o clínico foi condenado a 60 anos de prisão por um tribunal do Michigan, por posse de pornografia infantil.