sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Câmara dos Deputados vota hoje pedido de afastamento de Dilma

A Câmara dos Deputados do Brasil vota hoje o pedido de impugnação do mandato da Presidente Dilma Rousseff, enquanto são esperados milhares de manifestantes na capital, Brasília. O segundo dia de sessões terminou cerca das 3:42 locais (7:32 em Lisboa), depois de quase 50 horas de debates.

© Ueslei Marcelino / Reuters

A votação está marcada para as 14:00 (18:00 em Lisboa) e deverá prolongar-se durante a tarde, dado que os líderes de todos os partidos poderão falar para orientar o voto das suas bancadas e depois cada deputado será chamado, dispondo de 10 segundo para anunciar o seu voto.

Para o processo de impugnação do mandato presidencial e destituição de Dilma Rousseff avançar para o Senado (a câmara alta do Congresso brasileiro) são necessários os votos de pelo menos 342 dos 513 deputados da Câmara. Para arquivar o processo, a chefe de Estado precisa do apoio de 171 deputados, entre votos a favor, faltas e abstenções.

Se a impugnação avançar e passar depois no Senado, o vice-presidente brasileiro, Michel Temer, assume temporariamente a presidência até ao encerramento do processo, que não pode demorar mais do que 180 dias.

Nessa altura, decorrerão os interrogatórios, a apresentação de provas e a defesa de Dilma Rousseff para validar ou não a denúncia.

Depois, a votação final ditará se Dilma Rousseff volta ao cargo ou se será condenada, ficando impedida de exercer qualquer função pública por oito anos.

Segundo dia de sessões durou quase 50 horas

A sessão plenária da Câmara dos Deputados começou na sexta-feira de manhã com as alegações dos autores do pedido de impugnação e da "defesa" de Dilma Rousseff pelo advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, e prolongou-se no sábado com intervenções dos partidos e dos deputados.

O segundo dia de sessões terminou cerca das 3:42 locais (7:32 em Lisboa), depois de quase 50 horas de debates. De acordo com a imprensa brasileira, esta terá sido a sessão mais longa da história da Câmara dos Deputados.

O encerramento ocorreu quando terminaram as intervenções de todos os deputados inscritos para falar e que ainda estavam presentes. Dos 249 inscritos, apenas 119 deputados falaram.

Manifestações no centro de Brasília

Estão também previstas para hoje manifestações a favor e contra a destituição de Dilma Rousseff no centro de Brasília, com manifestantes a chegarem à capital brasileira desde segunda-feira e a montarem tendas nas proximidades do Congresso.

As autoridades locais determinaram que a área defronte do Congresso Nacional seja isolada e restrita apenas a agentes da polícia, bombeiros e militares.

Foi também levantada uma barreira, com um quilómetro de comprimento, para dividir os manifestantes a favor e contra a destituição, e a Força Nacional reforçou o efetivo, com milhares de polícias e militares destacados para o local.

A expectativa das autoridades é de que cerca de 300 mil pessoas acompanhem a votação no local.

A possibilidade de impugnação do mandato de Dilma Rousseff surgiu na sequência da revelação das chamadas "pedaladas fiscais", atos ilegais resultantes da autorização de adiantamentos de verbas de bancos para os cofres do Governo para melhorar o resultado das contas públicas.

Com Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.